História do wow

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

História do wow

Mensagem  Sephiroth em Sex Out 30, 2009 5:21 am

Aqui fica a história do wow que eu acho bem interessante até. nao sei se sabem mas vao fazer um filme sobre o wow e o realizador será o mesmo da saga spiderman.



Capitulo I: Mitos
Os Titãs e o Amoldando do Universo

Ninguém sabe exatamente como o universo começou. Alguns teorizam que uma explosão cósmica catastrófica enviou espalhou infinitos mundos na imensidão do Grande Universo - mundos que um dia teriam formas de vida maravilhosas e terríveis. Outros acreditam que o universo foi criado por uma única entidade toda-poderosa. Embora as origens exatas do universo caótico permaneçam incertas, está claro que uma raça de seres poderosos surgiu para trazer estabilidade a vários mundos e assegurar um futuro seguro para os seres que seguirem seus passos.

Os Titãs, deuses colossais, de pele metálica dos cantos distante do cosmo, exploraram o universo recém-nascido e se fixaram nos mundos encontrados para trabalhar neles. Eles moldaram os mundos elevando imponentes montanhas e cavando vastos oceanos. Espiraram céus e criaram atmosferas. Tudo partindo de um plano, de criar ordem fora do caos. Eles deram poder a raças primitivas para cuidar e manter a integridade dos seus respectivos mundos.

Comandado pela elite conhecida como o Panteão, os Titã trouxeram ordem a cem milhões de mundos espalhados ao longo do Grande Universo durante os primeiros anos de criação. O benevolente Panteão que buscava proteger estes mundos estruturados sempre estava vigilante contra a ameaça de ataque das entidades extra-dimensionais vis do Submundo Corrompido. O Submundo, uma dimensão etérea de magias caóticas que conectados a inúmeros mundos do universo, era lar de um número infinito de seres maléficos, endiabrados que só buscavam destruir a vida e devorar as energias do universo vivo. Incapaz de conceber o mal em qualquer forma, os Titã tentaram achar um modo de terminar com a constante ameaça dos demônios.

Sargeras e a Traição

Com o passar do tempo, entidades endiabradas fizeram seu espaço nos mundos dos Titã da Dimensão Inferior, e o Panteão elegeu seu maior guerreiro, Sargeras, agir como sua primeira linha de defesa. Um gigante nobre de bronze fundido, Sargeras levou a cabo os seus deveres durante milênios incontáveis, procurando e destruindo estes demônios onde quer que eles pudessem estar. Durante as eras, Sargeras encontrou duas raças demoníacas ambas poderosas que estavam brigando para ganhar o poder e domínio do universo físico.

O eredar, uma raça insidiosa de feiticeiros diabólicos, usando suas magias de bruxo para invadir e escravizar vários mundos. As raças indígenas desses mundos foram transformadas pelos poderes malévolos do eredar e se transformaram em demônios deles. Embora Sargeras tivesse poderes quase ilimitados eles eram mais que suficiente para derrotar o eredar vil, mas ele estava muito preocupado pela corrupção das criaturas e todo o mal os consumindo. Incapaz de entender tal depravação, o grande Titã começou a passar despercebido em sua depressão. Apesar de seu desconforto crescente, Sargeras libertou o universo dos bruxos apanhando-os dentro de um canto da Dimenssão Inferior.

Enquanto sua confusão e miséria afundavam cada vez mais, Sargeras foi forçado a afirmar aliança com outro grupo com intenção de romper a ordem dos Titã: o Nathrezim. Esta raça escura de demônios vampiros (também conhecido como dreadlords) conquistou vários mundos povoados possuindo seus habitantes e os transformando-os em sombras. Os abominaveis, dreadlords enganaram nações inteiras pondo umas contra as outras as manipulando em ódio irrefletido e desconfiança. Sargeras derrotou o Nathrezim facilmente, mas a corrupção deles o afetou profundamente.

Como dúvida e desespero Sargeras se sente subjugado, ele não só perdeu toda a fé em sua missão, mas também na visão dos Titãs de um universo ordenado. Eventualmente ele começou a acreditar que o conceito de ordem era loucura, e que caos e depravação eram absolutamente únicos na escuridão, de um universo. Os Titãs da mesma categoria dele tentaram o persuadir de seu erro e acalmar suas emoções furiosas, mas ele desconsiderou as convicções mais otimistas como ego-servido de desilusões. Sempre fazendo tempestades de seus graus, Sargeras teve a idéia de achar seu próprio lugar no universo. Embora o Panteão estivesse triste com sua partida, os Titãs nunca poderiam ter predito a perda de um irmão.

Até que loucura de Sargeras tivesse consumido os últimos vestígios de seu espírito valoroso, ele acreditou que os Titãs eram responsáveis pelo fracasso da criação. Decidindo, afinal, desfazer seus trabalhos ao longo do universo, ele planejou formar um exército imbatível que fixaria o universo físico flamejante.

Até mesmo Sargeras que tinha forma titânica foi pego pela corrupção que infestou seu coração uma vez-nobre. Os seus olhos, cabelos, e barba estouraram em fogo, e sua pele de bronze metálica dividiu-se abrindo e revelando um forno infinito de ódio devastador.

Na sua fúria, Sargeras quebrou as prisões dos eredar e os Nathrezim e deixou os demônios repugnantes livres. Estas criaturas espertas se curvaram diante a vasta raiva do Titã escuro e se ofereceram a para servir-lo de qualquer modo malicioso que eles pudessem. Dos graus do Eredar poderoso, Sargeras escolheu dois campeões para comandar o exército endiabrado dele de destruição. Kil'jaeden, o Enganador, que foi escolhido para procurar as raças mais escuras no universo e os recrutar para servir Sargeras. O segundo campeão, Archimonde, o Defiler, foi escolhido para conduzir os vastos exércitos de Sargeras em qualquer batalha contra qualquer um que poderia resistir ao Titã.

O primeiro movimento de Kil'jaeden foi escravizar os dreadlords vampiros debaixo de seu terrível poder. Os dreadlords serviram como seus agentes pessoais ao longo do universo, e levaram prazer localizando raças primitivas para seu mestre corromper e subjugá-los. O Primeiro entre os dreadlords era Tichondrius, o Darkener. Tichondrius serviu Kil'jaeden como o soldado perfeito e concordou levar por Sargeras o testamento ardente para todos os cantos escuros do universo.

O Archimonde poderoso também autorizou seus agentes. Chamando os senhores de Malefics Pit Lords e o líder bárbaro deles, Mannoroth, o Destructor, Archimonde esperou estabelecer uma elite lutadora que poliria a criação de toda a vida.

Uma vez que os exércitos de Sargeras foram recrutados e estavam prontos para seguir seu comando, ele lançou suas forças se enfurecendo na imensidade da Grande Escuridão. Ele recorreu ao seu exército crescente como a Burning Legion. Para esta data, ainda obscura eles consumiram e queimaram quantos mundos quanto possivel na sua Cruzada Ardente e profana pelo universo.

Os Deuses Velhos e a Ordenação de Azeroth

Inadvertidamente da missão de Sargeras para desfazer seus trabalhos incontáveis, os Titãs continuaram movendo-se de mundo em mundo, amoldando e ordenando cada planeta quando eles viam que eram necessários. Ao longo de sua viagem eles acharam um mundo pequeno que seus habitantes nomeariam Azeroth. Como os Titãs viram a paisagem primordial, eles encontraram vários seres elementais hostis. Este elementais que adoraram uma raça de seres “Invencíveis” do mal conhecido apenas como os Deuses Velhos, jurados a perseguir os Titãs para manter o seu mundo intocado pelo toque metálico dos invasores.

O Panteão, perturbado pela propensão dos Deuses Velhos para o mal, guerra empreendida pelos elementais e os mestres da escuridão. Os exércitos dos Deuses Velhos foram conduzidos pelos tenentes elementais mais poderosos: Ragnaros, o Firelord, Therazane, o Stonemother, Al'Akir, o Windlord, e Neptulon, o Tidehunter. As forças caóticas deles se enfureceram pela face do mundo e colidiram com os Titãs colossais. Embora os elementais fossem poderosos além da compreensão mortal, as forças combinadas deles não puderam parar os poderosos Titãs. Um por um, os senhores elementares caíram, e suas forças dispersaram.

O Panteão quebrou as fortalezas dos Deuses Velhos e encadeou os quatro deuses mal longe, abaixo da superfície do mundo. Para manter seus espíritos furiosos longe do mundo físico, os elementais foram banidos para um avião abismal onde eles combateriam um com o outro para toda a eternidade sem o poder dos Deuses Velhos. Com a partida dos elementais, a natureza acalmou, e o mundo estabeleceu uma harmonia e calma. Os Titãs vendo que a ameaça foi contida e ficaram para trabalhar.

Os Titãs autorizaram várias raças para lhes ajudar a formar o mundo. Para lhes ajudar a esculpir as cavernas em baixo da terra, eles criaram o Titã Dwarf-like térreo de pedra mágica viva. Ajudar-lhes a dragar os mares e ergue a terra do chão e mar, os Titãs criaram imensos, mas suaves gigantes do mar. Para muitas idades moveram os Titãs e amoldaram a terra, até que finalmente permaneceu um continente perfeito. Ao centro do continente, os Titãs fizeram um lago cintilante de energias. O lago que eles nomearam de Well of Eternity, era a fonte da vida para o mundo. Suas energias potentes criariam os ossos do mundo e autorizariam vida para arraigar na terra rica da terra. Com o passar do tempo, plantas, árvores, monstros, e criaturas de todo tipo começaram a prosperar no continente primordial. Como crepúsculo caiu no dia final do trabalho deles, os Titãs nomearam o continente de Kalimdor: "terra eterna de luz estrelada".

O Custo dos Dragões Voadores

Satisfeito pelo mundo pequeno que tinha sido ordenado e que o trabalho deles estava terminado, os Titãs prepararam-se para deixar Azeroth. Porém, antes de eles partiram, eles carregaram as maiores espécies do mundo com a tarefa de cuidar de Kalimdor, para que não houvesse qualquer força que ameace sua tranqüilidade perfeita. Naquela idade, havia muitos dragões voadores. Havia cinco irmãos voadores que dominavam. Foram estes cinco voadores que os Titãs escolheram para pastorear o mundo que brotava. Os maiores sócios do Panteão saturaram uma porção do seu poder em cada um dos líderes dos voadores. Estes dragões majestosos (como listado abaixo) foram conhecidos como os Grandes Aspectos, ou os Aspectos de Dragão.

Aman'Thul, o Highfather do Panteão, deu uma porção de seu poder cósmico para o dragão de bronze volumoso, Nozdormu. O Highfather incumbiu Nozdormu de vigiar tempo isto é policiar o pathways sempre-girando de destino em destino. O estóico, Nozdormu honrado foi conhecido como o Infinito.

Eonar, o protetor Gigantesco de toda a vida, deu uma porção do poder dela ao leviatã vermelho, Alexstrasza. Desde então, Alexstrasza seria conhecido como o Life-Binder, e ela trabalharia para salvaguardar todas as criaturas vivas deste mundo. Devido à sabedoria suprema dela e compaixão ilimitada para todas as coisas vivas, Alexstrasza foi coroado o Dragonqueen e determinado domínio a cima do tipo dela.

Eonar também abençoou a irmã mais jovem de Alexstrasza, o dragão verde flexível Ysera, com uma porção de influência da natureza. Ysera entrou em um transe eterno, saltando ao Sonho e despertando para a Criação. Conhecida como a Sonhadora, ela vigiaria de cima do selvagem crescente de seu mundo e seu reino verde, o Sonho de Esmeralda.

Norgannon, o guardião do conhecimento Gigantesco e mestre-mágico, concederam ao dragão azul, Malygos, uma porção de seu vasto poder. Dali em diante, Malygos seria conhecido como o Spell-Weaver, o guardião de magia e arcanum escondido.

Khaz'goroth, o shaper Gigantesco e falsificador do mundo, deu algum de seu vasto poder para o wyrm preto poderoso, Neltharion. O grande-coração Neltharion, conhecido depois como o Terra-guarda, seu domínio era determinado à cima da terra e os lugares fundos do mundo. Ele encarnou a força do mundo e serviu como o maior partidário de Alexstrasza.

Assim autorizado, os Cinco Aspectos foram carregados da defesa do mundo na ausência dos Titãs. Com os dragões prepararados para salvaguardar a criação deles, os Titãs deixaram Azeroth para trás para sempre. Infelizmente era só uma questão de tempo antes que Sargeras soubesse da existência do mundo recém-nascido. . . .

O Mundo despertando e o Well of the Eternity

Dez mil anos antes dos orcs e humanos colidirem em sua Primeira Guerra, o mundo de Azeroth era um só continente volumoso, cercado pelo mar. Aquele grande continente, conhecido como Kalimdor, albergou vários raças e criaturas discrepantes, que competiam pela sobrevivência entre os elementos selvagens do mundo que dispertava. Ao centro do continente escuro estava um lago misterioso de energias incandescentes. O lago que seria chamado depois o Well of the Eternity, era o verdadeiro coração da magia do mundo e poder natural. Tirando suas energias da Grande Escuridão infinita além do mundo, os Bem agiram como uma fonte mística, que envia suas energias potentes pelo mundo para nutrir a vida em todas suas formas maravilhosas.

A tempos, uma tribo primitiva e cautelosa de humanoids noturno fez seus alicerces às extremidades do lago encantado. O feral, humanoids nômade, puxado pelo Well de energias estranhas, casas cruas construídas em suas costas tranqüilas. Com o passar do tempo, o poder do Well cósmico afetou a tribo, fazendo-os forte, sábio, e virtualmente imortais. A tribo adotou o nome Kaldorei que significa "as crianças das estrelas" na língua nativa deles. Celebrar a sociedade deles brotando, eles construíram grandes estruturas e templos ao redor da periferia do lago.

O Kaldorei, ou Night Elfs como eles seriam conhecidos depois, adoravam a deusa da lua, Elune, e acreditavam que ela dormia dentro das profundezas do Well vislumbrando durante as horas de luz do dia. Os padres dos Nights-Elfs e videntes estudaram o Well com uma curiosidade insaciável, dirigido para examinar seus segredos e poder não contados. Como sua sociedade cresceu, os Night Elfs exploraram a largura de Kalimdor e encontraram seu outro habitante. As únicas criaturas que lhes deram folga eram os dragões antigos e poderosos. As grandes bestas serpentinas eram freqüentemente reclusas, mas eles fizeram muito para salvaguardar as terras de conhecidas ameaças em potencial. Os Night Elfs descobriram que os dragões se ficaram como os protetores do mundo - e de acordo com eles os segredos deles era melhor sozinhos.

A tempos, a curiosidade dos Night Elfs os levou a se encontrar e ajudar várias entidades poderosas, nada menos de que Cenarius, um demigod poderoso do forestlands primordial. A magnitude com que Cenarius se apaixonado pelos Night Elfs inquisitivos e muitas vezes gastando tempo com o mundo natural. O Kaldorei tranqüilo desenvolveu uma empatia forte pelas florestas vivas de Kalimdor e se divertiu com equilíbrio harmonioso da natureza.

Como a idade aparentemente infinita, a civilização dos Night Elfs ampliou seu território e cultura. Seus templos, estradas, e habitações foram espalhados pelo continente escuro. Azshara, a rainha bonita e talentosa dos Nights Elfs, construiu um imenso, maravilhoso palácio na costa do Well onde morou serventes favorecidos dentro de seus corredores adereçados. Os serventes dela quem ela chamava de Quel'dorei ou "Highborne", a amaram loucamente por todo seu reinado e se acreditava que mais que o resto dos seus irmãos. Embora a Rainha Azshara fosse amada igualmente por todas as pessoas, os Highborne foram invejados secretamente e repugnados pelo resto dos Night Elfs.

Compartilhando da curiosidade dos padres para com o Well of the Eternity, Azshara ordenou os Highborne examinarem seus segredos e revelar seu verdadeiro propósito no mundo. Os Highborne se enterram nos seus trabalhos e estudaram o Well incessantemente. A tempos eles desenvolveram a habilidade de manipular e controlar o Well e suas energias cósmicas. Como suas experiências progrediram, os Highborne acharam que eles pudessem usar os poderes descobertos para ou criar ou destruir ao seu lazer. Os Highborne descuidados tinham tropeçado em uma magia primitiva e tinham se decidido dedicar-se a seu domínio. Embora eles concordassem que aquela magia era perigosa dê controlar e isso era irresponsabilidade, Azshara e os Highborne dela começaram a praticar os seus feitiços despreocupadamente. Cenarius e muitos estudantes dos Night Elfs advertiram sobre a calamidade que seria o resultado de brincar com as artes claramente voláteis da magia. Mesmo assim, Azshara e os seguidores dela continuaram obstinadamente ampliando os poderes e germinando-os.

Como seus poderes cresceram, uma mudança distinta veio a acontecer com Azshara e os Highborne. A classe alta, arrogante e indiferente ficou crescentemente calosa e cruel com os Night Elfs da mesma categoria deles. Uma escuridão, pensando, mortalha ocultada Azshara está uma vez encantada e bela. Ela começou a se retirar de seus assuntos amorosos e se recusou interagir com qualquer um, menos com os padres de Highborne confiados dela.

Um estudante jovem nomeado Malfurion Stormrage que tinha gastado muito de seu tempo estudando as artes primitivas de druidismo começou a suspeitar que um poder terrível estivesse corrompendo os Highborne e a rainha amada deles. Embora ele não pudesse conceber o mal que estava por vir, ele soube que as vidas dos Night Elfs seriam mudadas logo e para sempre. . . .

A Guerra dos Anciões
10.000 anos antes de Warcraft I

O uso despreocupado da magia pelos Highborne enviou ondulações de energia que espiralou para fora do Well of the Eternity e no Grande Além Escuro. As ondulações fluindo energia eram sentidas por mentes estrangeiras terríveis. Sargeras - o Grande Inimigo de toda a vida, o Destruidor de Mundos - sentia as ondulações potentes e foi atraído ao seu distante local de origem. Espiando o mundo primordial de Azeroth e sentindo as energias ilimitadas do Well of the Eternity, Sargeras foi consumido por uma fome insaciável. O grande deus escuro do Sem nome Nulo resolveu destruir o mundo de fledgling e reivindicar suas energias para si.

Sargeras juntou a vasta Burning Legion e começou a viajar para o mundo que não desconfia ser Azeroth. A Legião é feita por um milhão de demônios gritantes, rasgando todos os cantos distantes do universo, e os demônios tiveram fome para conquistá-lo. Os tenentes de Sargeras, Archimonde o Defiler e Mannoroth o Destructor, prepararam seus minions infernal para atacar.

A Rainha Azshara, subjugada pelo êxtase terrível de sua magia, virou uma vítima de Sargeras de poder inegável e concordou em lhe conceder entrada para o seu mundo. Até mesmo seus serventes Highborne se entregaram para a corrupção inevitável da magia e começaram a adorar Sargeras como o deus. Mostraram a sua submissão à Legião, os Highborne ajudaram sua rainha abrindo um vasto, portal dentro das profundezas do Well of the Eternity.

Uma vez que todas as suas preparações tinham sido feitas, Sargeras começou a invasão catastrófica de Azeroth. Os guerreiros-demônio da Burning Legion fizeram uma tempestade no mundo pelo Well of the Eternity e pôs assédio para as cidades dormentes dos Night Elfs. Conduzido por Archimonde e Mannoroth, a Legião enxameou em cima das terras de Kalimdor, deixando só cinzas e tristeza em seu caminho. Os bruxos demônio evocaram os infernals para queimar, que chegavam em meteoros infernais e se chocavam nos pináculos graciosos dos templos de Kalimdor. Umas faixas de queimar, assassino de bloodletting conhecidos como o Doomguard marcharam pelos campos de Kalimdor, enquanto matavam todo o mundo em seu caminho. Pacotes de felhounds selvagem, endiabrado saquearam a zona rural sem oposição. Embora os guerreiros de Kaldorei valentes se apressassem para defender sua pátria antiga, eles foram forçados a dar chão, lentamente polegada por polegada, antes do ataque de fúria da Legião.

Malfurion Stormrage saiu para achar ajuda para as pessoas cercadas. Stormrage cujo próprio irmão, Illidan, praticou as magias dos Highborne, e era enraivecido pela corrupção crescente entre a classe alta. Illidan se convence a abandonar a obsessão perigosa dele, Malfurion teve a idéia de achar Cenarius e reunir uma força de resistência. A sacerdotisa jovem e bonita, Tyrande, concordou em acompanhar os irmãos pelo nome de Elune. Embora Malfurion e Illidan compartilhassem um amor pela sacerdotisa idealista, o coração de Tyrande pertenceu só a Malfurion. Illidan ficou ressintido ao ver seu irmão engatar um romance com Tyrande, mas soube que a preocupação dele não era nada comparada à dor do hábito mágico dele.

Illidan que tinha crescido dependente de magia está autorizando energias, ele lutou para se manter controlado com a fome opressiva para pegar um pouco mais da energia do Well uma vez mais. Porém, com o apoio paciente de Tyrande, ele pôde se conter e ajudar seu irmão a achar o demigod recluso, Cenarius. Cenarius que vive dentro do Moonglades sagrado do Monte distante Hyjal concordou em ajudar os Night Elfs achando os dragões antigos e recrutando-os para ajudá-los. Os dragões, conduzidos pelo grande leviatã vermelho, Alexstrasza, concordaram em enviar para seus vôos poderosos e matar os demônios e os mestres infernais.

Cenarius chamava os espíritos das florestas encantadas, e reunia um exército de homens-árvore antigos e os conduziu contra a Legião em uma agressão terrestre ousada. Como os aliados dos Night Elfs convergiram no templo de Azshara e o Well of the Eternity, todos saíram e guerra estourou. Apesar da força do newfound aliada, Malfurion e os seus colegas perceberam que a Legião não poderia ser derrotada só por força marcial.

Com a batalha titânica enfureceu a cidade da capital de Azshara e seu redor, a rainha delusional esperou por antecipação a chegada de Sargeras. O senhor da Legião estava se preparando para atravessar o Well of the Eternity e entrar no mundo saqueado. Com sua sombra impossivelmente enorme o puxou para mais perto da superfície furiosa do Well, Azshara juntou o seu mais poderoso dos seguidores de Highborne. Só unindo as suas magias em uma pessoa focalizada eles poderiam criar um portal grande o bastante para Sargeras entrar.

Como a batalha se enfureceu pelos campos ardentes de Kalimdor, uma volta terrível de eventos se desdobrou. Foram perdidos os detalhes do evento para cronometrar, mas é conhecido que Neltharion, o Aspecto de Dragão da Terra, foi furioso durante um ponto crítico contra a Legião Ardente. Ele começou a dividir separadamente como chama e raiva estourou da pele escura dele. Se renomeando Deathwing, o dragão ardente se virou contra seus cinco irmãos dragões voadores do campo de batalha.

A traição súbita de Deathwing era tão destrutiva que o cinco dragonflights nunca se recuperaram verdadeiramente. Feridos e chocados, Alexstrasza e os outros dragões nobres foram forçados a abandonar seus aliados mortais. Malfurion e seus companheiros, agora foram desesperadamente excedidos em número, restando apenas o ataque dos sobreviventes.

Malfurion se convenceu que o Well of the Eternity era a ligação umbilical dos demônios para o mundo físico, insistiu que devesse ser destruído. Os companheiros dele, sabendo que o Well era a fonte da sua imortalidade e poderes, ficaram horrorizado pela idéia precipitada. Tyrande viu a sabedoria da teoria de Malfurion, ela assim convenceu os todos a atacar violentamente o templo de Azshara e achar um modo de fechar para Cenarius e seus camaradas o Well para o bem.

The Sundering do Mundo

Sabendo que a destruição do Well impediria de brandir novamente a magia, Illidan muito egoísta abandonou o grupo e teve a idéia de ir advertir o Highborne do plano de Malfurion. Devido à loucura pelo seu hábito com a magia e o ciúme de seu irmão com Tyrande o cortando, Illidan não sentia nenhum remorso em trair Malfurion e apoiar Azshara e o ilk. E ainda por cima, Illidan jurou proteger o Well of the Eternity de qualquer maneira e não importando os meios necessários para isso.

Com o coração partido pela partida de seu irmão, Malfurion conduziu seus companheiros até o coração do templo de Azshara. Eles armaram uma tempestade na câmara de audiência principal, eles acharam o Highborne no meio do seu encantamento escuro final. O feitiço comunal criou um vórtice instável de poder nas profundezas turbulentas do Well. Como a sombra de Sargeras chegava cada vez mais perto da superfície, Malfurion e seus aliados se apressaram em atacar.

Azshara, tendo recebido a advertência de Illidan, estava mais que preparada para eles. Quase todos os seguidores de Malfurion caíram de ante os poderes da rainha furiosa. Tyrande, enquanto tentava atacar Azshara por trás, foi pega pelos soldados de Highborne da rainha. Embora ela derrotasse os soldados, Tyrande sofreu feridas dolorosas nas mãos. Quando Malfurion viu seu amor cair, ele entrou em um frenesi assassino e estava decidido a acabar com a vida de Azshara.

A batalha se engrandeceu dentro e fora do templo, Illidan apareceu das sombras perto das costas do grande Well. Produzindo um jogo de frascos feitos especialmente, Illidan ajoelhou e encheu cada um com as águas do Well e vislumbrando. Convencido que os demônios esmagariam a civilização dos Night Elfs, ele planejou roubar as águas sagradas e manter suas energias pra ele.

Com a batalha entre Malfurion e Azshara, foi lançado cuidadosamente um spellwork feito pelos Highborne em caos. O vórtice instável nas profundidades do Well explodiu e acendeu uma cadeia catastrófica de eventos que vão sunder o mundo. A explosão volumosa balançou o templo e suas fundações e enviou tremores que rasgaram a terra torturada. Com a batalha horrorosa entre a Legião e os aliados dos Night Elfs se engrandeceram mais e mais ao redor e sobre a cidade arruinada, o Well of the Eternity entrou em colapso desmoronando.

A explosão catastrófica resultante quebrou a terra e destruiu os céus.

Depois dos terremotos causados pela implosão do Well os ossos do mundo foram sacudidos, os mares se apressaram em encher a ferida aberta da terra. Tinham sido dinamitados quase oitenta por cento do grande continente de Kalimdor, enquanto sobrava apenas um punhado de continentes separados que foram cercados pelo novo e furioso mar. O centro do novo mar onde uma vez o Well of the Eternity estava, virou uma tempestade tumultuosa de fúria relativo a maré e a energias caóticas. Esta cicatriz terrível, conhecida como o Maelstrom, nunca deixaria de girar furiosa. Permaneceria como uma lembrança constante da catástrofe terrível. . . E a utópica que estava para sempre perdida.

De alguma maneira, contra as probabilidades, a rainha Azshara e a elite de seus Highborne conseguiram sobreviver a provação. Torturados pelos poderes que eles tinham libertado, Azshara e seus seguidores foram arrastados para baixo do mar furioso pela implosão do Well. Amaldiçoados - eles - transformaram - e assumiram novas formas se tornando as odiosas serpentes Nagas. A própria Azshara se expandiu com ódio e se enfureceu, enquanto se transformava em uma monstruosidade, refletindo a maldade e malícia que sempre tinham escondido dentro de seu coração.

Lá, no fundo do Maelstrom, as Nagas construíram para elas uma cidade nova, Nazjatar do qual eles reconstituíram o seu poder. Levaria mais de dez mil anos antes das Nagas revelarem a sua existência para o mundo da superfície.

Monte Hyjal e o Presente de Illidan

Os poucos Night Elfs que sobreviveram à explosão horrorosa junto fizeram balsas e lentamente fizeram seu novo reino no único grande continente visto. De alguma maneira, pela graça de Elune, Malfurion, Tyrande, e Cenarius tinham sobrevivido ao Grande Sundering. Os heróis cansados concordaram em conduzir os sobreviventes da mesma categoria deles e estabelecer uma nova casa para as pessoas. Como eles viajaram em silêncio, eles inspecionaram os destroços de seu mundo e perceberam que suas paixões tinham forjado a destruição ao seu redor. Embora tivessem sido derrotados Sargeras e sua Legião foram mandados para o mundo de destruição do Well, Malfurion e seus companheiros pararam para ponderar o custo terrível de vitória.

Havia muitos Highborne que sobreviveram ao cataclismo incólume. Eles fizeram suas casas para as costas da nova terra junto com os outros Night Elfs. Embora Malfurion desconfiasse dos motivos dos Highborne, ele estava satisfeito que eles não pudessem causar nenhum dano real sem as energias do Well.

Com todos Night Elfs cansados eles pararam nas costas da terra nova, eles acharam que a montanha santa, Hyjal, tinha sobrevivido à catástrofe. Buscando estabelecer uma casa nova para eles, Malfurion e os Night Elfs escalaram os declives de Hyjal e alcançaram seu ápice varrido pelo vento. Eles desceram nas planícies arborizadas, e se aconchegaram entre os cumes enormes da montanha, eles acharam um lago pequeno, tranqüilo. Para seu horror, eles acharam que as águas do lago tinham sido feitas por magia.

Illidan, tendo sobrevivido ao Sundering, tinha alcançado o ápice de Hyjal antes de Malfurion e os Night Elfs. Para manter os fluxos de magia no mundo, Illidan tinha vertido os frascos dele dos quais contiveram as águas preciosas do Well of the Eternity, no lago montês. As energias potentes do Well acenderam depressa e se fundiram em um novo Well of the Eternity. Illidan triunfante, acreditando que o novo Well era um presente a gerações futuras, ficou chocado quando Malfurion o caçou. Malfurion explicou ao seu irmão que a magia era caótica e que seu uso conduziria inevitavelmente a corrupção difundida e discussão. Ainda assim, Illidan recusou-se a renunciar seus poderes mágicos.

Sabendo bem aonde as idéias cruéis de Illidan conduziriam eventualmente, Malfurion decidiu lidar de uma vez por todas com o poder de seu irmão louco. Com a ajuda de Cenarius, Malfurion prendeu Illidan dentro de uma prisão subterrânea vasta onde ele permaneceria preso e impotente até o fim dos tempos. Para assegurar a retenção de seu irmão, Malfurion autorizou o diretor jovem, Maiev Shadowsong, ser o carcereiro pessoal de Illidan.

Pensando que destruindo o novo Well eles poderiam provocar uma catástrofe maior, os Night Elfs decidiram deixa-lo intocado. Porém, Malfurion declarou que eles nunca mais praticariam novamente as artes da magia. Debaixo dos olhos alertas de Cenarius, eles começaram a estudar as artes antigas de druidismo que os permitiriam a curar a terra saqueada e re-cultivar suas florestas amadas na base do Monte Hyjal.

A Árvore Mundial e a Esmeralda dos Sonhos
9.000 anos antes de Warcraft I

Por muitos anos, os Night Elfs trabalharam incansavelmente para reconstruir o que eles puderam da sua pátria antiga. Deixando seus templos quebrados e estradas cobertas, eles construíram suas casas novas entre as árvores verdes e colinas sombreadas à base de Hyjal. Há tempos, os dragões que tinham sobrevivido ao grande Sundering vieram adiante dos seus domicílios secretos.

Alexstrasza o vermelho, Ysera o verde, e Nozdormu o bronze desceram nas clareiras druidas no mato tranqüilo e inspecionou os frutos dos trabalhos dos Night Elfs. Malfurion que tinha se tornado um arque-druida de imenso poder, cumprimentou os dragões poderosos e lhes falou sobre a criação do novo Well of the Eternity. Os grandes dragões ficaram alarmados por ouvir tais notícias escuras e foram especulados que o contanto que o Well permaneceu a Legião poderia um dia retornar de surpresa ao mundo mais uma vez. Malfurion e os três dragões fizeram um pacto para manter o Well seguro e assegurar que os agentes da Burning Legion nunca mais achariam um modo de invadirem seu mundo.

Alexstrasza, o Lifebinder, colocou uma única, e encantada bolota dentro do coração do Well of the Eternity. A bolota, ativada pelas águas potentes, mágicas, deu vida a uma árvore colossal. As raízes da árvore poderosa cresceram nas águas do Well, e seu pálio verde parecia raspar o telhado do céu. A imensa árvore seria um símbolo perpétuo do laço dos Night Elfs com a natureza, e suas energias se estenderiam para curar o resto do mundo com o passar do tempo. Os Night Elfs deram para sua Árvore Mundial o nome de Nordrassil que significava "coroa dos céus" na língua nativa deles.

Nozdormu, o Infinito, colocou um encanto na Árvore Mundial para assegurar que contanto que a árvore colossal tinha, com os Night Elfs nunca os envelheceriam ou cairiam doentes.

Ysera, a Sonhadora, também colocou um encanto na Árvore Mundial unindo-a ao próprio seu reino, a dimensão etérea foi conhecida como o Sonho de Esmeralda. O Sonho de Esmeralda, um mundo vasto de espírito, sempre-variável, existiu fora dos limites do mundo físico. Do Sonho, Ysera regulou a diminuição e fluxo de natureza e o caminho evolutivo do próprio mundo. Foram ligados aos druidas Night Elfs, inclusive ao próprio Malfurion, ao Sonho pela Árvore Mundial. Como parte do pacto místico, os druidas concordaram em dormir de vez enquando durante séculos de forma que seus espíritos poderiam vagar nos caminhos infinitos dos Dreamways de Ysera. Embora os druidas fossem afligidos ao prospecto de perder tantos anos de suas vidas hibernando, eles concordaram com sua barganha com Ysera abnegadamente.

Exílio dos High Elfs
7.300 anos antes de Warcraft I

Com o passar dos séculos, a nova sociedade dos Night Elfs cresceu forte e se expandiu ao longo da floresta que eles vieram a chamar de Ashenvale. Muitas das criaturas e espécies que eram abundantes antes do Grande Sundering, como furbolgs e quilboars, reapareceram e floresceram na terra. Debaixo da liderança benevolente dos druidas, os Night Elfs desfrutaram uma era de paz sem precedente e tranqüilidade abaixo das estrelas.

Porém, muitos dos sobreviventes do Highborne originais cresceram inquietos. Apreciando Illidan, eles derrubaram a vítima à retirada que veio da perda de suas magias desejadas. Eles foram tentados a obter as energias do Well of the Eternity exultada na prática de suas magias. Dath'Remar, o escombro, líder franco do Highborne, começou a ridicularizar os druidas publicamente, chamando-os de covardes por recusar a usar as magias que ele falava que eram suas por direito. Malfurion e os druidas ignoraram os argumentos de Dath'Remar e advertiram o Highborne que qualquer uso de magia seria punido com a morte. Em uma insolente e infortunada tentativa de convencer os druidas para rescindir a lei, Dath'Remar e seus seguidores soltaram uma terrível tempestade mágica em Ashenvale.

Os druidas não puderam matar todos de sua família, eles então decidiram exilar os despreocupados Highborne de suas terras. Dath'Remar e seus seguidores, contentes por estarem livres afinal dos seus primos conservadores, subiram a bordo de vários navios especialmente feitos à vela e saíram pros mares. Embora nenhum deles soubesse o que os esperavam além das águas do Maelstrom furioso, eles estavam ansiosos para estabelecer sua própria pátria onde eles poderiam praticar suas magias desejadas com impunidade. O Highborne, ou Quel'dorei, como Azshara tinha os nomeado em eras passadas, fixar-se-iam na costa eventualmente dos homens de terra orientais e chamaria de Lordaeron. Eles planejaram construir seu próprio reino mágico, Quel'Thalas, e rejeitariam os preceitos dos Night Elfs de adoração a lua e atividade noturna. Para todo o sempre, eles abraçariam o sol e se chamariam como de High Elfs.

As Sentinelas e a Longa Vigília

Com a partida de seus primos cabeçudos, os Night Elfs voltaram sua atenção à custódia de sua pátria encantada. Os druidas, sentindo que seu tempo de hibernação estava cadê vez mais perto, preparam-se para dormir e deixar para trás seus familiares e famílias. Tyrande que tinha se tornado a Alta Sacerdotisa de Elune falou para seu amor, Malfurion, não ir para o Sonho de Esmeralda de Ysera. Mas Malfurion, honrou seu acordo e entrou na Dreamways variável, a sacerdotisa despediu-se com um adeus e jurou que eles nunca estariam longe se eles se agarrassem no seu verdadeiro amor.

Deixada só para proteger Kalimdor dos perigos do novo mundo, Tyrande juntou uma força lutadora poderosa entre suas irmãs Night Elfs. Elas foram conhecidas como as mulheres guerreiras e destemidas, altamente treinadas e empenharam na defesa de Kalimdor “As Sentinelas”. Embora elas preferissem patrulhar as florestas sombrias de Ashenvale, elas tiveram muitos aliados nos quais elas poderiam chamar quando tivessem alguma urgência.

O demigod Cenarius permaneceu perto em Moonglades do Monte Hyjal. Os filhos dele, conhecido como os Keepers of the Grove, eles ficavam vigiando os Night Elfs e estavam sempre prontos para ajudar as Sentinelas a manter paz na terra. Até mesmo as filhas tímidas de Cenarius, as dryads, estavam aparecendo ao ar livre com mais freqüência.

A tarefa de policiar Ashenvale manteve Tyrande ocupada, mas sem Malfurion ao lado dela, ela teve pouca alegria. Com o passar dos séculos enquanto os druidas dormiam ela cultivava seu medo de uma segunda invasão endiabrada. Ela não podia de pensar que a Legião Ardente ainda poderia estar lá fora, além da Grande Escuridão do céu, tramando sua vingança contra os Night Elfs e o mundo de Azeroth.
avatar
Sephiroth
Membro Júnior
Membro Júnior

Mensagens : 13
Data de inscrição : 08/10/2009
Localização : Aveiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História do wow

Mensagem  Sephiroth em Sex Out 30, 2009 5:24 am

Capitulo II: O Novo Mundo

Fundando Quel’Thalas
6.800 anos antes de Warcraft I

Os High Elfs, conduzidos por Dath'Remar, para a esquerda de Kalimdor e acabaram desafiando as tempestades do Maelstrom. Os destroços de suas frotas vagaram o mundo durante muitos anos, e eles descobriram mistérios e reinos perdidos ao longo de sua curta estada. Dath'Remar que tinha levado o nome Sunstrider ou "ele que caminha de dia", procurou lugares de considerável poder para o qual construiria uma pátria nova para as suas pessoas.

Sua frota finalmente parou nas praias dos homens do reino chamado de Lordaeron. Forjando no interior, os High Elfs fundaram uma determinação dentro das tranqüilas Clareiras de Tirisfal. Depois de alguns anos, muitos deles começaram a pender para o mal. Foi teorizado que algo de mal dormia debaixo daquela parte em particular do mundo, mas nunca foi provado que seus rumores eram verdades. Os High Elfs empacotaram seus acampamentos e se moveram em direção ao norte para outra terra rica em energias de ley.

À medida que os High Elfs cruzaram as terras ásperas e montanhosas de Lordaeron, sua viagem ficava cada vez mais perigosa. Desde que eles estavam efetivamente sem as energias do Well of the Eternity, muitos deles caíram doentes pelo clima frígido ou morreram de fome. Porém, a mudança mais desconcertante era o fato de que eles não eram mais imortais ou imunes aos elementos. Eles também encolheram um pouco em altura, e sua pele perdeu sua cor violeta característica. Apesar de seus sofrimentos, eles encontraram muitas criaturas maravilhosas que nunca tinham sido vistas em Kalimdor. Eles também acharam tribos de humanos primitivos que caçaram ao longo do forestlands antigas. Porém, a ameaça mais medonha que eles encontraram foram os Trolls vorazes e espertos da floresta de Zul'Aman.

Estes Trolls musgo-esfolados podiam regenerar membros perdidos e podiam curar dolorosos danos físicos, mas eles provaram ser uma raça selvagem e má. O império de Amani estirou-se pela maioria grande maioria do norte de Lordaeron, e os Trolls lutaram para manter os estranhos não desejados nas suas bordas. Os Elfs desenvolveram um ódio profundo por esses Trolls viciosos e os matavam sempre que os encontravam.

Depois de muitos anos, os High Elfs finalmente acharam uma terra que era rememorativa a Kalimdor. Profundamente dentro das florestas do norte do continente, eles fundaram o reino de Quel'Thalas e juraram criar um império tão poderoso que enfezaria seus primos de Kaldorei. Infelizmente eles aprenderam logo aquela Quel'Thalas foi fundada em cima de uma antiga cidade de Trolls que os Trolls achavam ser sagrada. Quase imediatamente, os Trolls começaram a atacar os Elfs com determinação e massivamente.

Os Elfs teimosos, pouco dispostos a deixar sua nova terra, utilizaram as magias das quais eles tinham respigando do Well of the Eternity e mantiveram os Trolls selvagens à distância. Debaixo da liderança de Dath'Remar, eles puderam derrotar os Bandos de Guerra de Amani que os excedia em número (dez para um). Alguns Elfs, cautelosos das advertências antigas do Kaldorei, que o uso de magias poderia chamar a atenção da possivelmente banida Burning Legion. Então, eles decidiram mascarar suas terras dentro de uma barreira protetora que lhes permitiria trabalhar os seus encantos. Eles construíram uma série de Runestones monolítico a vários pontos ao redor de Quel'Thalas que marcavam os limites da barreira mágica. As Runestones não só mascaram a magia dos Elfs de ameaças extra-dimensionais, mas ajudaram a amedrontar os Bandos de Guerra dos Trolls supersticiosos.

Com o tempo, Quel'Thalas se tornou um monumento ilustrando os esforços dos High Elfs e força mágica. Seus belos palácios foram feitos no mesmo estilo arquitetônico dos corredores antigos de Kalimdor, contudo eles foram entrelaçados com a topografia natural da terra. Quel'Thalas tinha se tornado a desejada jóia ilustrando o que os Elfs tinham desejado criar. A Convocação de Silvermoon foi fundada como o poder governante em cima de Quel'Thalas, entretanto a Dinastia de Sunstrider manteve um mínimo poder político. Incluído de sete dos maiores High Elfs, a Convocação trabalhou para afiançar a segurança das terras Elfs e suas pessoas. Cercado por sua barreira protetora, os High Elfs permaneceram impassíveis pelas velhas advertências dos Kaldorei e continuaram usando magia notoriamente em quase todos aspectos de suas vidas.

Durante quase quatro mil anos os High Elfs viveram pacificamente dentro da segurança provida de seu reino. Não obstante, os Trolls vingativos não eram tão facilmente derrotados. Eles conspiraram e planejaram nas profundidades das florestas e esperaram pelo números de seu Bandos de Guerras crescerem. Finalmente, os exércitos de Trolls poderosos saíram das florestas sombrias uma vez mais indo em direção aos pináculos lustrados de Quel'Thalas.

Arathor e as Guerras dos Trolls
2.800 anos antes de Warcraft I

Como os High Elfs lutam por suas vidas contra os ataques ferozes dos Trolls, dispersos, os humanos nômades de Lordaeron lutaram para consolidar suas próprias terras tribais. As tribos de humanas invadiram uma a outra com a determinação de fazer com cuidado uma unificação racial com honra. Uma tribo, conhecida como Arathi, via que os Trolls estavam ficando muito grandes, uma verdadeira ameaça para se ignorar. O Arathi desejava unir todas as tribos sob seu comando de forma que eles poderiam prover uma frente unificada contra os Bandos de Guerra dos Trolls.

Em seis anos, os espertos Arathis dominaram todas as tribos rivais. Depois de todas as suas vitórias, os Arathis ofereceram paz e igualdade às tribos conquistadas; assim, eles ganharam à lealdade desses tinham sido abatidos. Eventualmente a tribo do Arathi veio incluir muitas tribos discrepantes, e seus exércitos cresceram e ficaram cada vez mais vastos. Confiantes que eles pudessem acabar com os próprios Bandos de Guerras dos Trolls ou até mesmo os Elfs reclusos se fossem necessário, os Mestres de Guerra do Arathi decidiram construir uma cidade com uma fortaleza poderosa nas regiões sulistas de Lordaeron. A cidade soberana, nomeada Strom, se tornou o capital da nação de Arathi, Arathor. Como Arathor prosperou os humanos de toda parte do vasto continente viajavam para o sul em busca da proteção e segurança de Strom.

Unidos debaixo de uma bandeira, as tribos humanas desenvolveram uma cultura forte e otimista. Thoradin, o rei de Arathor, soube que os Elfs misteriosos de northlands estavam debaixo de ataques constantes pelos Trolls, mas se recusou arriscar a segurança de suas pessoas em defesa de estranhos reclusos. Com muitos meses passados com rumores da suposta derrota dos Elfs vieram do norte para baixo. Só quando os embaixadores cansados de Quel'Thalas alcançaram Strom que Thoradin percebeu quão verdadeiramente grande era à ameaça dos Trolls.

Os Elfs informaram Thoradin que os exércitos dos Trolls eram vastos e que os Trolls tinham destruído Quel'Thalas, eles se mudariam para atacar as southlands. Os Elfs ficaram desesperados, pela medonha necessidade de ajuda militar, eles então concordaram apressadamente a ensinar para certos humanos seletos a usar magia em troca de sua ajuda contra os Bandos de Guerra. Thoradin, desconfiado de qualquer magia, concordou em ajudar os Elfs em sua necessidade. Quase imediatamente, os feiticeiros Elfs chegaram a Arathor e começaram a instruir um grupo de humanos dos modos de magia.

Os Elfs acharam que embora os humanos fossem inicialmente desajeitados na manipulação de suas magias, eles possuíam uma surpreendente afinidade natural por ela. Cem homens foram ensinados com os mesmos fundamentos dos segredos mágicos dos Elfs: nada mais que o necessário combater os Trolls. Convencido que seus estudantes humanos estavam prontos para ajudar na luta, os duendes deixaram Strom e viajaram para norte ao lado dos exércitos poderosos do Rei Thoradin.

Os Elfs unidos aos exércitos humanos colidiram de frente com os Bandos de Guerra dos Trolls opressivos ao pé das Montanhas de Alterac. A batalha durou durante muitos dias, mas os exércitos incansáveis de Arathor nunca deram uma polegada de chão antes do contra-ataque dos Trolls. Os senhores Elfs julgaram que o tempo tinha vindo libertar os poderes das suas magias no inimigo. Os cem Magos Humanos e uma multidão de feiticeiros Elfs chamaram abaixo a fúria dos céus e massacraram os exércitos dos Trolls entusiasmadamente. Os fogos elementares impediram os Trolls de regenerar suas feridas enquanto queimavam suas formas torturadas do ao avesso.

Com os exércitos dos Trolls aniquilados e tentando fugir, os exércitos de Thoradin os seguiram e mataram o último dos seus soldados. Os Trolls nunca se recuperariam completamente de sua derrota, e história nunca veria os Trolls se reerguerem novamente como uma nação. Assegurado que Quel'Thalas foi salva da destruição, os Elfs fizeram um voto de lealdade e amizade à nação de Arathor e para a linhagem de seu rei, Thoradin. Os humanos e Elfs criariam relações de amizade para eras que se seguiram.

Os Guardiões de Tirisfal
2.700 anos antes de Warcraft I

Com a ausência dos Trolls de northlands, os Elfs de Quel'Thalas dobraram seus esforços para reconstruir a sua gloriosa pátria. Os exércitos vitoriosos de Arathor voltaram para casa em Strom nas southlands. A sociedade humana de Arathor cresceu e prosperou, contudo Thoradin, temendo que seu reino se separasse se ele expandisse seu reino, manteve Strom o centro do império de Arathorian. Depois de muitos anos calmos de crescimento e comércio, o poderoso Thoradin morreu de velhice, deixando as gerações mais jovens de Arathor livre ampliar o seu império além das terras de Strom.

Os cem magos originais que foram ensinados dos modos de magia pelos Elfs ampliaram seus poderes e estudaram as disciplinas místicas dos feitiços muito mais detalhadamente. Estes magos, inicialmente escolhidos por sua força de vontade e espíritos nobres, sempre tinham praticado a suas magias com cuidado e responsabilidade; porém, eles passaram seus segredos e poderes para uma nova geração que não teve nenhum conceito dos rigores de guerra ou a necessidade para ego-restrição. Estes mágicos mais jovens começaram a praticar magia para seu ganho pessoal em sem qualquer responsabilidade para com seus companheiros.

Como seu império que cresceu e expandiu em terras novas, os mágicos jovens também se esparramaram nas southlands. Brandindo seus poderes místicos, os mágicos protegeram seus irmãos das criaturas selvagens da terra e tornaram possível a construção da nova capital na selva. Ainda, com mais conhecimento e poderes, os magos sempre ficavam mais convencidos e isolados do resto da sociedade.

A segunda capital de Arathorian foi Dalaran fundada no norte das terras de Strom. Muitos feiticeiros fugidos deixaram para trás as restrições e enclausuramentos de Strom e viajaram a Dalaran onde eles esperavam poder usar seus novos poderes com maior liberdade. Estes magos usaram suas habilidades para construir os pináculos encantados de Dalaran e se divertiram com a perseguição de seus estudos. Os cidadãos de Dalaran toleraram os empenhos dos magos e construíram uma economia de alvoroçada sob a proteção dos magos defensores. Ainda, assim cada vez mais magos praticavam suas artes, e o tecido de realidade ao redor de Dalaran começou a se debilitar e rasgar.

Os agentes sinistros da Burning Legion que tinha sido banida quando o Well of the Eternity se desmoronara, foram atraídos pelos feitiços usados do mundo descuidado dos magos de Dalaran. Embora estes que demônios relativamente fracos não aparecessem com vigor, eles causavam confusão e caos considerável nas ruas de Dalaran. A maioria destes encontros endiabrados eram eventos isolados, e o Magocrata governante fez o que eles puderam para manter tais eventos escondidos do público. Os magos mais poderosos foram enviados para capturar os demônios errantes, mas eles se achavam freqüentemente desesperados e solitários agentes da Legião poderosa.

Depois de alguns meses os camponeses supersticiosos começaram a suspeitar que a ordem dos magos estivesse escondendo algo terrível deles. Rumores de revolução começaram a se espalhar pelas ruas de Dalaran com os cidadãos paranóicos questionando os motivos e práticas dos magos que eles tinham admirado uma vez. O Magocrata, temendo que os camponeses se revoltassem e que Strom entrasse em ação contra eles, eles se viraram ao único grupo que eles sentiam que entenderia seu problema particular: os Elfs.

Ao ouvir as notícias do Magocrata, de que havia atividades endiabradas em Dalaran, os Elfs despacharam rapidamente seus feiticeiros mais poderosos para as terras humanas. Os feiticeiros Elfs estudaram as correntes de energia em Dalaran e fizeram relatórios detalhados de toda atividade endiabrada que eles viram. Eles concluíram que embora houvesse só alguns demônios soltos no mundo, a Legião permaneceria uma ameaça cada vez mais perto com os humanos soltando e brandindo suas magias e feitiços.

O Conselho de Silvermoon que regrou os Elfs de Quel'Thalas entrou em um pacto secreto com o Magocraat de Dalaran. Os Elfs contaram para o Magocrata sobre a história de Kalimdor e a antiga Burning Legion, uma história que ainda ameaçava o mundo. Eles informaram os humanos que se eles usassem magias, eles precisariam proteger seus cidadãos coletivamente dos agentes maliciosos da Legião. O Magocrata propôs a idéia de autorizar um único campeão mortal que utilizaria seus poderes coletivos para lutar uma guerra secreta e sem fim contra a Legião. Foi acordado que a maioria dos seres humanos nunca pudesse saber sobre os Guardiões ou da ameaça da Legião por terem medo que eles se revoltassem em medo e paranóia. Os Elfs aceitaram a proposta e fundaram uma sociedade secreta que assistiria a forma de seleção do Guardião e ajudaria a parar a elevação do caos no mundo.

A sociedade celebrava suas reuniões secretas nas Clareiras sombreadas de Tirisfal que era o lugar onde os High Elfs tinham feito seu primeiro acampamento em Lordaeron. Assim, eles nomearam a seita secreta de os Guardiões de Tirisfal. Foram muito os campeões mortais que foram escolhidos para ser o Guardião com poderes incríveis dos Elfs e a magia humana. Embora só houvesse um Guardião de cada vez, eles possuíam tal poder que eles pudeiam lutar com uma mão com os agentes da Legião onde quer que eles fossem achados no mundo. O poder do Guardião era tão grande que só o Conselho de Tirisfal foi permitido escolher os sucessores em potencial de tal cargo. Sempre que um Guardião ficava muito velho, ou cansado da guerra secreta contra caos, o Conselho escolhia um novo campeão, e sobre condições controladas, formalmente eles passavam o poder do Guardião para um novo agente.

Com o passar das gerações, os Guardiões defenderam a humanidade da ameaça invisível da Burning Legion ao longo das terras de Arathor e Quel'Thalas. Arathor cresceu e prosperou junto com o uso e a expansão da magia ao longo do império. Enquanto isso, os Guardiões mantiveram-se alertas e cuidadosos para sinais de atividade endiabrada.

Ironforge - o Despertar do Dwarves
2.500 anos antes de Warcraft I

Nos tempos antigos, depois que os Titãs partirão de Azeroth, as suas crianças, conhecidas como térreos, continuaram amoldando e vigiando em intervalos para o fundo do mundo. Os térreos eram despreocupados com os negócios das raças da superfície-terrestre e só desejavam explorar as profundezas escuras da terra.

Quando o mundo foi dividido pela implosão do Well of the Eternity, os térreos foram profundamente afetados. Bobinando com a dor da própria terra, os térreos perderam sua identidade e se fecharam dentro das câmaras de pedra onde eles foram criados. Uldaman, Uldum, Ulduar. . . Estes eram os nomes das antigas cidades Gigantescas onde os térreos deram forma. Enterrados profundamente em baixo do mundo, os térreos descansaram em paz por quase oito mil anos.

Embora esteja obscuro o que os despertaram, os térreos lacrados dentro de Uldaman eventualmente surgiram da sua soneca ego-imposta. Estes térreos acharam que eles tinham mudado significativamente durante sua hibernação. As suas peles rochosas tinham amolecido e tinham se tornado pele lisa, e seus poderes e habilidades sobre pedra e a terra tinham minguado. Elas tinham se tornado criaturas mortais.

Se chamando dwarves, o último térreo andou pelos corredores de Uldaman e se arriscou a andar no mundo se despertando. Silêncio acalmado pela segurança e maravilhas dos lugares fundos, eles fundaram um reino vasto debaixo da montanha mais alta da terra. Eles nomearam sua terra de Khaz Modan, ou "Montanha de Khaz", em honra do Titã shaper, Khaz'goroth. Construindo um altar para seu pai Titã, os dwarves fizeram uma forja poderosa dentro do coração da montanha. Assim, a cidade que cresceu ao redor da forja seria chamada Ironforge.

Os dwarves, eram por natureza fascinados com o moldar de gemas e pedra, minaram as montanhas circundantes por riquezas e metais preciosos. Contentes com o seu trabalho debaixo do mundo, mantiveram-se isolados dos assuntos dos seus vizinhos da superfície.


Os Sete Reinos
1.200 anos antes de Warcraft I

Strom continuou a ser o centro de Arathor, mas tal como Dalaran, muitas cidades apareceram ao longo do continente de Lordaeron. Gilneas, Alterac, e Kul Tiras foram as primeiras a aparecer, e apesar de cada uma ter os seus costumes e trabalhos de comércio estas mantiveram a unificante autoridade de Strom.

Sobe a vigilante ordem de Tirisfal, Dalaran tornou-se o principal centro de aprendizagem de magia. Os Kirin Tor foi uma seita criada para ficar encarregue de catalogar e investigar todas as magias, artefatos e objetos mágicos conhecidos pela humanidade.

Gilneas e Alterac tornaram-se fortes assistentes de Strom e desenvolveram fortes exércitos que exploraram a região montanhosa a sul de Khaz Modan. Fui durante este período que os humanos e anões pela primeira vez se encontraram e viajaram até Ironforge. Aí partilharam segredos de engenharia e de trabalhar o metal e descobriram o amor comum nas guerras e nos contos de historias.

A cidade de Kul Tiras, fundada numa grande ilha a sul de Lordaeron, desenvolveu uma economia baseada na pesca e transporte. Com o tempo, Kul Tiras construiu uma poderosa armada mercantil e viajou pelo desconhecido na procura de novos produtos exóticos para trocar e vender. Apesar da economia de Arathor crescer, os seus fortes elementos começaram a desintegrar-se.

Após algum tempo, os senhores de Strom procuraram as luxuosas terras do norte de Lordaeron deixando as áridas terras do sul. Os herdeiros do rei Thoradin, os últimos descendentes da linhagem de Arathi, discutiram que Strom não deveria ser abandonada e tal deixou descontente a maior parte dos cidadãos pois também ansiavam partir. Procurando a pureza e iluminação no norte, decidiram deixar a antiga cidade. A norte de Dalaran construíram a nova cidade que chamaram Lordaeron. O continente inteiro teria o nome a partir desta cidade. Esta cidade tornou-se um local para os viajantes religiosos que procuravam paz interior e segurança.

Os descendentes de Arathi, deixados com as antigas paredes de Strom, decidiram viajar para sul de Khaz Modan. A sua jornada finalmente acabou após longas estações, e ficaram na parte mais a norte da região do continente que iriam chamar Azeroth. No fértil vale encontraram o reino de Stormwind, que rapidamente se tornou auto-suficiente.

Alguns guerreiros que ficaram em Strom decidiram manter e guardar as antigas moralhas da cidade. Strom não era mais o centro do império, mas desenvolveu-se numa nova nação chamada Stromgarde. Apesar de cada cidade prosperar por si mesma, o império de Arathor tinha-se desintegrado. Cada nação desenvolveu os seus costumes e crenças as quais foram ficando cada vez mais afastadas umas das outras. A visão do rei Thoradin de unificar a humanidade tinha finalmente desaparecido.

Aegwynn e a Caça ao Dragão
823 anos antes de Warcraft I

Apesar das políticas e rivalidades das sete nações humanas a linha de guardiões manteve a sua constante luta contra o caos. Houve muitos guardiões ao longo dos anos. Um dos últimos guardiões da era destacou-se pela na luta contra a sombra. Aegwynn, uma humana ganhou a aprovação da ordem e fui lhe dado um imenso poder. Ela trabalhou na caça e erradicação dos demônios onde quer que ela os encontre, mas questionava a autoridade masculina que dominava o concelho de Tirisfal.

Ela acreditava que os antigos Elfs e os homens que presidiam o concelho eram demasiado rígidos na maneira de pensar e não suficientemente clarividentes para porem um fim decisivo no conflito contra o caos. Impaciente com as longas discussões e debates, ela provou ser merecedora aos seus superiores, ao escolher valor em vez de senso em situações cruciais.

Ao controlar melhor o poder cósmico de Tirisfal, Aegwynn passou a conhecer o poderoso número de demônios que estavam no continente gelado a norte, no continente de Northrend. Viajando para o distante norte, Aegwynn seguiu os demônios até às montanhas, onde encontrou os demônios que estavam a caçar um dos últimos dragões sobreviventes e drenando da antiga criatura a sua magia. Os poderosos dragões, que tinham fugido dos avanços da sociedade mortal, encontraram-se demasiado equilibrados com a força negra da Legion. Aegwynn confrontou os demônios e ajudou o nobre dragão a erradicá-los.

Contudo, o último demônio foi banido do mundo mortal, e uma grande tempestade apareceu no norte. Um enorme rosto apareceu no céu sobre Northrend. Sargeras, o rei demônio e senhor da Burning Legion apareceu perante Aegwynn com energia infame e negra. Informou então a jovem guardiã que o tempo de Tirisfal estava a acabar e que o mundo iria brevemente curvar-se perante o poder da Legion.

A orgulhosa Aegwynn, acreditando ser capaz de derrotar o ameaçador deus, desencadeou o seu poder contra Sargeras. Com uma vontade desconcertante, Aegwynn lutou e teve sucesso em destruir a forma física de Sargeras. Temendo que o espírito permanecesse a inconsciente Aegwynn, fechou-o dentro de uma muralha antiga de Kalimdor que tinha sido destruída e enviada para o fundo do mar quando o Well of Eternity colapsou. Aegwynn nunca saberia que tinha feito exatamente o que Sargeras tinha planeado. Ela tinha inadvertidamente selado o destino do mundo mortal, para Sargeras, na altura da sua morte corporal, transferiu o seu espírito para o enfraquecido corpo de Aegwynn. Sem conhecimento da jovem guardiã, Sargeras iria permanecer escondido nos obscuros cantos de sua alma por longos anos.

A Guerra dos Três Martelos
230 anos antes de Warcraft I

Os dwarves da montanha de Ironforge viveram em paz por muitos séculos. No entanto a sua sociedade crescera demasiada dentro das suas cidades. Apesar do poderoso rei, Modimus Anvilmar, governar todos os anões com justiça e sabedoria, três poderosas facções apareceram na sociedade dwarven, sendo primos.

O clã Bronzebeard, governando por Thane Madoran Bronzebeard, mantinha laços próximos com o rei e manteve-se como tradicional defensor da montanha Ironforge. O clã Wildhammer, governando por Thane Khardros Wildhammer, que habitava a base e precipícios da montanha e procurava ganhar mais controlo sobre a cidade no interior. O Terceiro clã, os Dark Iron, era governado pelo mago Thaurissan. Os Dark Iron escondiam-se nas profundas sombras debaixo da montanha e conspiravam contra os Bronzebeard e os Wildhammer.

Por algum tempo as três facções mantiveram uma tênue paz, mas tensões surgiram quando o rei Anvilmar morreu de velhice. Os três clãs governantes entraram em guerra pelo controle de Ironforge. A guerra civil dos dwarves continuou por muitos anos debaixo da terra.

Eventualmente os bronzebeards que tinham o maior exército, baniram os Dark Irons e Wildhammers da montanha.

Khardros e os seus guerreiros Wildhammer viajaram para norte através dos portões de Dun Algaz, e descobriram o seu próprio reino no distante pico de Grim Batol. Lá, os Wildhammer reconstruíram os tesouros e prosperaram. Taurissan e os seus Dark Iron não aceitaram tão bem. Humilhados e enraivecidos pela derrota, eles prometeram vingança contra Ironforge. Thaurissan fundou uma cidade com o seu nome dentro das belas montanhas de Redridge, a sul. Prosperidade e os anos pouco fizeram para diminuir o rancor para com os seus primos. Thaurissan e a sua mulher feiticeira, Modgud, lançaram dois assaltos contra Ironforge e Grim Batol. Os Dark Irons queriam controlar toda a zona de Khaz Modan.
Dark Iron foi ao encontro das fortalezas de seus primos e quase tomaram ambos os reinos. No entanto Madoran Bronzebeard liderou o seu clã numa vitória decisiva sobre o exército de Thaurissan. Thaurissan e seus servidores fugiram de volta para a segurança de sua cidade, desconhecendo os acontecimentos em Grim Batol onde o exército de Modgud não estava a fazer melhor contra Khardros e os guerreiros de Wildhammer.

Ao confrontar os guerreiros, Modgud usou os seus poderes para criar medo nos seus corações. Sombras mexiam ao seu comando, e coisas obscuras saíram das profundezas da terra para perseguir os Wildhammer nas suas muralhas. Eventualmente Modgud quebrou os portões e pôs a fortaleza sob cerco. Os Wildhammer lutaram desesperadamente, e Khardros lutou através das massas para matar a rainha feiticeira. Com a sua rainha morta, os Dark Iron fugiram perante a fúria dos Wildhammer. Correram para sul, mas apenas para encontrar o exército de Ironforge que ia ajudar em Grim Batol. Encurralados entre dois exércitos os restantes Dark Iron foram rapidamente destruídos.

As forças combinadas de Ironforge e Grim Batol foram então para sul. Com o intuito de destruir Thaurissan e os Dark Irons de uma vez por todas. Não tinham ido muito longe quando Thaurissan fez um feitiço de proporções catastróficas. Procurando chamar uma criatura supranatural que iria assegurar a sua vitória, Thaurissan chamou pelo antigo poder adormecido sob o mundo. Para sua surpresa, a criatura que imergiu era mais terrível que qualquer pesadelo que poderia imaginar.

Ragnaros, O Senhor do Fogo, imortal senhor de todos os elementais de fogo, tinha sido banido pelos Titãs quando o mundo ainda era jovem. Agora, liberto pelo chamamento de Thaurissan, Ragnaros desfez as montanhas de Redridge e criou um violento vulcão no centro da devastação. O vulcão, conhecido por Blackrock Spire, fez fronteira com Searing Gorge a norte e Burning Steppes a sul. Apesar de Thaurissan ter sido morto pela força que libertou, os seus súbditos sobreviventes foram escravizados por Ragnaros e seus elementais e permaneceram em Blackrock Spire até hoje...

Ao verem a horrível destruição e fogo a espalhar pelas montanhas a sul, o Rei Madoran e Rei Khadros retrocederam o ataque, regressando aos seus reinos, sem vontade de enfrentar a incrível raiva de Ragnaros.
Os Bronzebeards regressaram a Ironforge e reconstruíram a sua gloriosa cidade. Os Wildhammers regressaram também para sua casa em Grim Batol, mas a morte de Modgul tinha deixado uma mancha negra na fortaleza, achando-a assim inabitável. Ficaram muito magoados pela perda da sua amada fortaleza. O rei Bronzebeard ofereceu um sítio dentro das fronteiras de Ironforge para eles viverem, mas os Whildhammers recusaram. Khadros levou o seu povo para norte na direção de Lordaeron. Nas luxuosas florestas de Hinterlands, os Wildhammers criaram a cidade Aerie Peak, onde eles cresceram mais perto da natureza e até criaram ligações com os poderosos gryphons da área.

Procurando reter relações e comércio com os seus primos, os dwarves de Ironforge construíram dois massivos arcos, Thandol Span, ponte entre Khaz e Lordaeron. Com o comércio, ambos os reinos prosperaram. Após as mortes de Madoran e Khardros, os seus filhos mandaram fazer juntas duas grandes estátuas em honra dos seus pais. As duas estatuas ficariam a guardar a passagem para sul, onde estava à presença vulcânica de Ragnaros. Ambas as estátuas serviam como aviso para quem ousasse atacar os reinos dos dwarves, lembrando o que aconteceu em tempos antigos...

Os dois reinos mantiveram estreitos laços por alguns anos, mas os Wildhammer tinham sido terrivelmente marcados pelos horrores que tinham visto em Grim Batol. Eles preferiram viver sob o chão na sua cidade Aerie Peak, em vez de perfurarem o reino entre as montanhas. As duas ideologias diferentes levaram a que os dois clãs de anões eventualmente os seus modos ficassem diferentes.

O Último Guardião
45 anos antes do Warcraft I

A guardiã Aegwynn foi ficando cada vez mais poderosa com o passar dos anos e usou os poderes de Tirisfal para expandir a sua vida. Acreditando que tinha derrotado Sargeras para sempre, ela continuou a proteger o mundo dos demônios durante quase novecentos anos. No entanto, o concelho de Tirisfal finalmente decretou que a sua altura tinha chegado ao fim. O concelho decidiu que ela voltasse a Dalaran para que se pudesse escolher um novo sucessor. Mas, Aegwynn, sempre desconfiada do concelho, escolheu um sucessor.

A orgulhosa Aegwynn planeou ter um filho para quem ela iria entregar todo o seu poder. Ela não tinha intenção de permitir que a Ordem de Tirisfal manipula-se o seu sucessor como tinham tentado manipulá-la. Viajando para o sul da nação de Azeroth, ela encontrou o pai perfeito para o seu filho: um hábil mágico conhecido como Nielas Aran. Aran era o conselheiro do rei de Azeroth. Aegwynn seduziu o mago e convenceu-o a dar-lhe um filho. A afinidade por poder de Nielas iria ficar dentro da criança e definiria o trágico futuro que iria acontecer mais tarde. O poder de Tirisfal estava também implantado na criança, mas apenas acordou quando a criança atingiu maturidade física.

O tempo passou, e Aegwynn deu à luz o seu filho num sítio isolado. Nomeando o filho Medivh, que significa "guardador de segredos" na linguagem dos High Elves, ela acreditou que o rapaz iria ser o próximo guardião. Infelizmente o maléfico espírito de Sargeras, que se tinha escondido dentro dela, tinha possuído a indefesa criança enquanto estava dentro do ventre da mãe. Aegwynn desconhecia que o mais novo guardião estava já possuído pelo seu maior inimigo...

Aegwynn entregou a criança ao tribunal de Azeroth e deixou-o lá para ser criado pelo seu pai mortal. Ela então vagueou pelo mundo para passar para o pós vida que esperava por ela. Medivh cresceu e ficou um forte rapaz e não tinha noção do potencial poder de que lhe fora passado.
Sargeras esperou até o poder do jovem se ter manifestado. Quando Medivh chegou à adolescência, era já conhecido em Azeroth pelos seus poderes mágicos e costumava ir a aventuras com os seus dois amigos: Llane, o príncipe de Azeroth e Anduin Lothar, um dos descendentes da linhagem de Arathi. Os três rapazes constantemente causavam confusão no reino, mas eram apreciados pela maior parte dos cidadãos.

Quando Medivh chegou aos catorze anos o cósmico poder dentro dele acordou e embateu com o espírito de Sargeras que se escondia na sua alma. Medivh caiu num estado caótico que durariam largos anos. Quando acordou do estado de coma, descobriu que era já adulto e que os seus amigos tinham se tornado reitor de Azeroth. Apesar de querer usar os seus poderes para proteger a terra que chamava de casa, o escuro espírito de Sargeras distorceu os seus pensamentos e emoções na direção de um fim maligno.

Sargeras revelou-se no escurecido coração de Medivh, pois sabia que os seus planos para uma segunda invasão do mundo estavam quase completos e que o último guardião do mundo os traria...
avatar
Sephiroth
Membro Júnior
Membro Júnior

Mensagens : 13
Data de inscrição : 08/10/2009
Localização : Aveiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História do wow

Mensagem  Sephiroth em Sex Out 30, 2009 5:25 am

Capitulo III: O Destino de Draenor

Kil'jaeden e o pacto Shadow

Por volta da altura do nascimento de Medivh em Azeroth, Kil'jaeden O Enganador juntou e conspirarou com os seus seguidores em Twisting Nether. O senhor dos demônios, sobre ordens de seu senhor, Sargeras, conspirou a segunda invasão da Burning Legion. Nesta altura erros não eram tolerados. Kil'Jaeden chegou à conclusão que precisava de uma nova força para enfraquecer a defesa de Azeroth antes que a Burning Legion voltasse ao mundo. Se as raças mortais, como os Night Elves e Dragões, fossem forçados a conterem a nova ameaça, eles estariam demasiado fracos para se oporem quando a verdadeira invasão da Burning Legion chegasse.

Foi nesta altura que Kil'Jaeden descobriu o mundo de Draenor flutuando pacificamente no Great Dark Beyond. Casa dos Orcs shamãns e dos pacíficos Draenei, Draenor era muito vasto. Os nobres clãs de Orcs ocupavam as abertas planícies e caçavam por desporto, enquanto que os Draenei construíam cidades perto dos precipícios e picos. Kil'jaeden viu que os cidadãos de Draenor tinham grande potencial para servir a Burning Legion se eles fossem manipulados corretamente.

Das duas raças, Kil'jaeden viu que os guerreiros Orcs eram os mais susceptíveis à corrupção da Burning Legion. Ele manipulou o velho shaman Orc, Ner'zhul, como Sargeras tinha feito à Rainha Azshara eras atrás. Usando o genial shamãn Ner'zhul como sua ligação, rapidamente a raça espiritual se transformou em numa raça sediosa de sangue e de batalhas. Kil'jaeden incentivou Ner'zhul e o seu povo a dedicarem-se inteiramente à morte e guerra. No entanto o velho shamãn, sentindo que iria escravizar o seu povo e leva-los a ódio para sempre, resistiu de alguma forma ao comando do demônio...

Frustrado com a resistência, Kil'jaeden procurou por outro Orc que entregasse o seu povo à Burning Legion. Kil'jaeden encontrou o discípulo que procurava: o seu ambicioso aprendiz, Gul'dan. Kil'jaeden prometeu a Gul'dan poder em troca da sua obediência incontestável. O jovem Orc tornou-se estudante de magia demoníaca e tornou-se num dos mais poderosos warlocks da história. Ele ensinou jovens Orcs os segredos das artes e lutou para erradicar as tradições dos Orcs shamãs. Gul'dan mostrou uma nova magia para os seus seguidores, o terrível e novo poder que exaltava destruição.

Kil'jaeden, procurando segurar as rédeas dos Orcs, ajudou Gul'Dan a fundar o Concelho Shadow, uma seita secreta que manipulava os clãs e espalhava o uso de magia dos warlocks por Draenor. Com a crescente adesão dos Orcs às magias dos warlocks, os pacíficos campos e rios de Draenor começaram a escurecer e a desaparecer, deixando um solo negro. As energias demoníacas estavam a matar lentamente o mundo...

O aparecimento da Horde

Os Orcs tornaram-se agressivos sob o comando de Gul'dan e o seu concelho Shadow. Eles construíram arenas massivas onde os Orcs afinavam as suas habilidades em combate. Durante este período, alguns chefes de clãs falaram contra o crescimento da raça. Um desses chefes, Durotan do clã Frostwolf, avisou que os Orcs estavam a perder-se na fúria e ódio. No entanto, as suas palavras não foram ouvidas devido à subida de chefes de clãs como o Grom Hellscream a campeões da nova era de poder militar.

Kil'jaeden sabia que os Orcs estavam quase prontos, mas ele precisava de ter a certeza da sua lealdade. Em segredo, fez com que o concelho Shadow invocasse Mannoroth O Destruidor, o verdadeiro veículo de destruição e fúria. Gul'dan chamou os chefes dos clãs e convenceu-os que ao beberem o sangue de Mannoroth seriam praticamente invencíveis.

Liderados por Grom Hellscream, todos os chefes dos clãs exceto Durotan beberam o sangue de Mannoroth e ficaram para sempre escravos da Burning Legion. Com o crescer do poder devido ao sangue de Mannoroth, os chefes estenderam a sua subjugação aos seus parentes.

Consumidos pela maldição do sangue, os Orcs procuraram libertar sua fúria em todos os que os opusessem. Sentindo que o tempo chegara, Gul'dan unificou os clãs de guerreiros numa única e imparável Horde. Contudo, sabendo que os vários chefes como o Hellscream e Orgrim Doomhammer iriam procurar a supremacia completa, Gul'dan preparou um Warchief que controlaria a Horde. Blackhand, O Destruidor, um Orc cruel e sem escrúpulos, foi o escolhido. Sob seu comando a Horde atacou os pacíficos Draenei para se testarem.

Após alguns meses, a Horde tinha erradicado quase todos os Draenei que viviam em Draenor. Só uma pequena resistência conseguiu evadir-se da intensa ira dos Orcs. Contentes com a vitória, Gul'dan revelou o poder e grandeza da Horde. No entanto sabia que sem inimigos com quem lutar a Horde acabaria por se consumir a ela própria em guerras infindáveis...

Kil'jaeden sabia que a Horde estava finalmente preparada. Os Orcs eram agora a maior arma da Burning Legion. O astuto demônio partilhou o seu conhecimento com o seu mestre que ainda esperava, e Sargeras concordou que o tempo de vingança tinha finalmente chegado...
avatar
Sephiroth
Membro Júnior
Membro Júnior

Mensagens : 13
Data de inscrição : 08/10/2009
Localização : Aveiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História do wow

Mensagem  Sephiroth em Sex Out 30, 2009 5:25 am

Capitulo IV: Aliança Vs Horda

O Portal Escuro e a Queda de Stormwind
Warcraft I: Orcs e Humanos

Enquanto Kil'jaeden preparava a Horda para a invasão de Azeroth, Medivh continuava a luta pela sua alma contra Sargeras. O rei Llane, o nobre monarca de Stormwind, foi tomando noção da escuridão que parecia manchar o espírito de seu antigo amigo. O rei Llane partilhou as suas preocupações com Anduin Lothar, o último descendente da linhagem Arathi, que fora nomeado tenente de armas. Nenhum homem poderia imaginar que a lenta e crescente loucura de Medivh traria grandes horrores.

Num último incentivo, Sargeras prometeu dar grande poder a Gul'dan se ele aceitasse liderar a Horda a Azeroth. Através de Medivh, Sargeras disse ao warlock que poderia tornar-se um deus vivo se ele encontrasse o sítio onde Aegwynn tinha escondido o fragilizado corpo de Sargeras milhares de anos antes. Gul'dan aceitou e decidiu que assim que Azeroth fosse conquistada, ele poderia encontrar a lendária sepultura e ganhar sua recompensa. Assegurado que a Horda serviria suas vontades, Sargeras ordenou que a invasão começa-se.

Através do esforço conjunto, Medivh e os warlocks do concelho Shadow abriram um portal dimensional como o Dark Portal. Este portal serviria de ponte entre a distância de Azeroth e Draenor e era largo o suficiente para os exércitos passarem por ele. Gul'dan mandou batedores Orcs através do portal para investigar as terras que eles iam conquistar. Os batedores asseguraram ao concelho Shadow que Azeroth era possível de ser conquistada.

Gul'dan ainda convencido que a corrupção poderia destruir o seu povo, Durotan falou contra os warlocks uma vez mais. O bravo guerreiro afirmou que os warlocks estavam a destruir a pureza do espírito dos Orc e que esta invasão seria a sua perdição. Gul'dan, sem poder arriscar matar um herói tão popular, foi forçado a exilar Durotan e o seu clã Frostwolf nos afastados locais do novo mundo.

Após os exilados Frostwolf terem passado pelo portal, apenas alguns clãs Orcs os seguiram. Estes Orcs rapidamente criaram uma base de operação em Black Morass, uma negra e pantanosa área no canto do reino de Stormwind. Com a expansão e exploração de novos territórios pelos Orcs, eles entraram em imediato conflito com os defensores humanos de Stormwind. Apesar de estas disputas acabarem rapidamente, eles ilustraram as fraquezas e forças de ambas as raças rivais. Llane e Lothar nunca foram capazes de tomar conhecimento do número de Orcs e apenas podia adivinhar o quão grande era à força com que tinham de contar. Após alguns anos a maioria dos Orcs da Horda já tinha passado para Azeroth e Gul'dan decidiu que já hora do primeiro ataque contra a humanidade. A Horda atacou com toda sua força o calmo reino de Stormwind.

As forças de Azeroth e da Horda se embateram por todo o reino, e conflitos internos começaram a crescer em ambos os lados. O rei Llane, que acreditava que os Orcs eram incapazes de conquistar Azeroth, e manteve a sua posição na sua capital Stormwind. Contudo Sir Lothar convenceu-se que a batalha deveria ser levada diretamente ao inimigo e foi forçado a escolher entre as suas convicções e lealdade ao rei. Escolhendo seguir os seus instintos Lothar atacou a fortaleza de Karzhan com a ajuda do jovem mago, Khadgar. Este ao matar o corpo de Medivh, baniu o espírito de Sargeras para o abismo. Como conseqüência, o puro e virtuoso espírito de Medivh foi permitido continuar a viver... E vaguear pelo plano astral por muitos anos.

Apesar de Medivh ter sido derrotado, a Horda continuou a dominar os defensores de Stormwind. Com a vitória da Horda cada vez mais perto, Orgrim Doomhammer, um dos grandes chefes dos Orcs, começou a ver a depravada corrupção que se tinha espalhado pelos clãs desde o tempo de Draenor. O seu velho camarada, Durotan, regressou do exílio e avisou outra vez da traição de Gul'dan. Numa retribuição rápida, os assassinos de Gul'dan assassinaram Durotan e sua família, deixando apenas o seu filho infante vivo. Sem o conhecimento do Doomhammer o filho de Durotan fora encontrado por um oficial humano, Aedelas Blackmoore, e feito prisioneiro.

Esse infante Orc viria um dia a elevar-se como o maior líder que o seu povo conheceria.

Tocado pela morte de Durotan, Orgrim tentou libertar a Horda da demoníaca corrupção e finalmente assumir o papel de chefe da Horda ao matar a marionete de Gul'dan, Blackhand. Sob a sua decidida liderança a incansável Horda finalmente pôs cerco ao Castelo de Stormwind. O Rei Llane tinha subestimado o poder da Horda e ele observou sem poder fazer nada à queda de seu reino para os Orcs invasores. Por fim, o rei Llane foi assassinado por um dos melhores assassinos do concelho Shadow, a meia-Orc Garona.

Lothar e seus guerreiros regressaram a casa de Karzhan, onde esperavam vingar a morte e salvar o seu reino. Mas tinham chegado tarde de mais e encontraram o seu amado reino em ruínas fumegantes. A Horda continuou a atacar o campo e tomou posse do território adjacente. Forçados a se esconderem, Lothar e seus companheiros prometeram reclamar sua terra natal a qualquer custo.

A Aliança de Lordaeron
Warcraft II: Ondas de Terror

Lothar juntou os homens restantes de Azeroth depois da derrota no Castelo de Stormwind e viajaram em conjunto através do mar até o norte de Lordaeron. Convencidos que a Horda iria destruir toda a humanidade se não fossem considerados como ameaça os sete líderes das nações humanas encontraram-se e decidiram se unificarem formando a Aliança conhecida como A Aliança de Lordaeron. Pela primeira vez em três mil anos as nações separadas voltaram a unificar-se sobre a mesma bandeira. Nomeado como Supremo Comandante das forças aliadas, Lothar preparou os exércitos para a chegada da Horda.

Ajudado pelos seus tenentes, Uther, o Lightbringer, Admiral Daelin Poudmoore e Turalyon, Lothar foi capaz de convencer as raças humanas da ameaça que estava para chegar. A Aliança conseguiu ganhar o suporte dos anões de Ironforge e de um pequeno número de High Elves de Quel'Thalas. Os Elves, liderados por Anasterian Sunstrider, estavam majoritariamente desinteressados no ataque que estava por vir. No entanto segundo a promessa feita eles tinham de ajudar Lothar por ser o ultimo descendente da linhagem de Arathi, que tinha ajudado os Elves no passado.

A Horda, agora liderada por Doomhammer, levou os Ogros de seu mundo e capturou os Trolls da floresta e, pois Amani sobre seu controle. Preparados para uma campanha massiva para destruir os anões do reino de Khaz Modan e as partes ao sul de Lordaeron, a Horda destruía sem esforço toda a oposição.

As épicas batalhas da segunda guerra travaram-se tanto a nível naval como aéreo. De alguma maneira a Horda tinha controle de um poderoso artefato conhecido como Demon Soul e usaram-no para escravizar o antigo Dragonqueen Alexstrasza. Ameaçando destruir os seus preciosos ovos, a Horda força-o a mandar as suas crianças mais crescidas para a guerra. Os nobres dragões vermelhos não resistiram e foram forçados a lutar pela Horda.

A guerra sentiu-se em todos os continentes de Khaz Modan, Lordaeron e Azeroth também. Como parte da campanha a norte a Horda conseguiu queimar as fronteiras de Quel'Thalas, assegurando assim o empenhamento total dos Elves para com a Aliança. As maiores cidades de Lordaeron foram pilhadas e devastadas pelo conflito. Apesar da ausência de reforços e esmagadoras probabilidade, Lothar e seus aliados conseguiram travar os seus inimigos.

Porém, durante os últimos dias da segunda guerra, em que a vitória da Horda estava quase garantida, intensas rivalidades cresceram entre os dois mais poderosos Orcs em Azeroth. Doomhammer preparava-se para fazer o ataque final contra a cidade capital de Lordaeron, mas Gul'dan e seus seguidores abandonaram seus postos e partiram para o mar. Doomhammer espantado ao perder quase metade das suas forças devido a esta traição viu-se obrigado a recuar o ataque quando estava a um passo de vencer a Aliança.

Gul'dan sedento de poder, obcecado de obter os poderes de um deus por ele próprio, mandou uma desesperada busca pelo Túmulo de Sargeras debaixo do mar que ele acreditava ter o segredo para o poder. Já tendo desgraçado os seus colegas Orcs ao torná-los escravos da Burning Legion, Gul'dan não pensou no dever para com o Doomhammer. Apoiado pelos clãs Stormreaver e Twilight's Hammer ele conseguiu encontrar o Túmulo de Sargeras. No entanto, quando abriu o Túmulo encontrou apenas demônios à sua espera...

Procurando punir a traição dos Orcs indisciplinados, Doomhammer mandou as suas forças para matar Gul'dan para voltar a comandar os renegados. Por descuido de Gul'dan, este tinha sido morto pelos demônios enraivecido que ele libertara. Com o seu líder morto os renegados rapidamente se subjugaram às legiões de Doomhammer. Apesar da rebelião ter sido controlada, a Horda não foi capaz de se recuperar das perdas que sofrera. A traição de Gul'dan não só deu tempo à Aliança de se agrupar como também permitiu retaliar.

Lothar, vendo que a Horda estava se desintegrando por dentro, juntou as suas últimas forças e arrastou Doomhammer para sul, de volta ao coração destruído de Stormwind. Aí, as forças aliadas apanharam a Horda que estava batendo em retirada para dentro da fortaleza vulcânica de Blackrock Spire. Mesmo com a baixa de Lothar na batalha da base da montanha, seu tenente, Turalyon, levou as forças da Aliança em frente empurrando as forças da Horda de volta ao abismal Swamp of Sorrows. A Aliança conseguiu destruir o Dark Portal, o mítico portal que ligava os Orcs à sua terra natal de Draenor. Sem reforços e fraturados com as longas lutas, a Horda finalmente caiu perante a grandeza da Aliança.

Os espalhados clãs dos Orcs rapidamente foram apanhados e aprisionados em campos de internamento. Apesar de parecer que a Horda estava destruída para sempre, alguns se mantiveram sépticos em relação da duração da paz. Khadgar, agora um Archmage de renome, convenceu o comando da Aliança a construir a fortaleza de Nethergarde que iria proteger as ruínas do Dark Portal e assegurar que não haveria mais invasões de Draenor.

A Invasão de Draenor
Warcraft II: Alem do Portal Escuro

Com o fogo da segunda guerra a esvaecer, a Aliança tomou medidas agressivas para conter a ameaça dos Orcs. Um grande número de campos de internamento, foram feitos para manter os Orcs cativos, foi construído a sul de Lordaeron. Guardados por paladinos e soldados veteranos da Aliança, os campos demonstraram ser um grande sucesso. Apesar dor Orcs cativos estarem tensos e ansiosos para mais guerras, os vigilantes dos campos, localizados na velha fortaleza prisão de Durnhold, mantiveram a paz e a ordem.

Contudo, no infernal mundo de Draenor, um novo exército de Orcs preparava-se para atacar a Aliança que de nada suspeitava. Ner'zhul, o anterior mentor de Gul'dan, juntou os clãs de Orcs sobre seu comando. Ajudado pelo clã de Shadowmoon, o velho shaman planeou abrir vários portais em Draenor que levaria a Horde a novos e intocados mundos. Para manter estes novos portais, ele precisava de vários artefatos de Azeroth. Para procurá-los, Ner'zhul reabriu o Dark Portal e mandou os seus servos procurá-los.

A Horda, liderada por veteranos como o Grom Hellscream e Kilrogg Deadeye (do clã Bleeding Hollow), surpreenderam a defesa da Aliança e abriram caminho através do interior do reino. Sobre o comando de Ner'zhul, os Orcs rapidamente reuniram os artefatos que precisavam e regressaram para a segurança de Draenor.

O rei Terenas de Lordaeron, convencido de que os Orcs estavam a preparar uma nova invasão a Azeroth, reuniu os seus tenentes mais próximos. E ordenou o General Turalyon e o archmage, Khadgar, para liderarem uma expedição através do Portal Escuro para pôr um fim à ameaça de uma vez por todas. As forças de Turalyon e Khadgar marcharam até Draenor e repetidamente se defrontaram com os clãs de Ner'zhul na península de Hellfire. Mesmo com a ajuda da High Elf Alleria Windrunner, o dwarve Kurdran Wildhammer e o veterano Danath Trollbane, Khadgar foi incapaz de prevenir que Ner'zhul abrisse os seus portais para os outros mundos.

Ner'zhul finalmente abrira seus portais para os outros mundos, mas não tinha previsto o terrível preço que iria pagar. A tremenda energia dos portais começou a desfazer a própria matéria de Draenor. Enquanto as forças de Turalyon lutavam desesperadamente para regressar para Azeroth, o mundo de Draenor começou a desfazer-se sobre si mesmo. Grom Hellscream e Kilrogg Deadeye, ao aperceberem-se dos planos loucos de Ner'zhul que iriam levar a sua raça à desgraça, juntaram as suas forças existentes e escaparam com relativa segurança para Azeroth.

Em Draenor, Turalyon e Khadgar concordaram em fazer o sacrifício de destruírem o Portal Escuro do lado deles. Iria custar as suas vidas e vidas de seus companheiros, mas eles sabiam que era a única maneira de assegurar a sobrevivência de Azeroth. Mesmo enquanto Hellscream e Deadeye infiltravam-se pelas fileiras humanas em desespero pela liberdade, o Portal Escuro explodiu atrás deles. Para eles e as restantes forças de Orcs em Azeroth não haveria retorno.

Ner'zhul e o seu fiel clã Shadowmoon passaram através do maior portal recém-criado enquanto massivas erupções vulcânicas começaram a quebrar os continentes de Draenor. Os mares de lava subiram e queimaram todo o horizonte e finalmente o mundo desapareceu numa massiva e apocalíptica explosão.

O Nascimento de Lich King

Ner'zhul e seus seguidores entraram no Plano Inferior, o plano etéreo que conecta tudo de todos os mundos se espalhou ao longo do Grande Além Escuro. Infelizmente Kil'jaeden e seus endiabrado favoritos estavam esperando por eles. Kil'jaeden que tinha jurado se vingar de Ner'zhul o desafiou orgulhoso e retalhou lentamente o corpo do velho shaman, pedaço por pedaço. Kil'jaeden manteve o espírito do shaman vivo, no entanto, enquanto deixava Ner'zhul dolorosamente atento ao total desmembramento de seu corpo. Mesmo com Ner'zhul suplicando ao demônio que libertasse seu espírito e lhe concede-se a morte, o demônio respondeu severamente que o Pacto de Sangue que eles tinham feito há muito tempo ainda estava ligando, e Ner'zhul ainda tinha um propósito a servir.

O fracasso dos Orcs em conquistar o mundo para a Burning Legion forçou Kil'jaeden a criar um novo exército para pregar o caos ao longo dos reinos de Azeroth. Este novo exército não poderia cair nas mesmas rivalidades insignificantes que tinham infestado a Horda. Teria que ser impiedosos e com um único pensamento: sua missão. Nesta Hora, Kil'jaeden não podia nem pensar em falhar.

Celebrando o espírito desamparado de Ner'zhul, Kil'jaeden lhe deu uma última chance para servir a Legião ou sofrer um tormento eterno. Uma vez mais, sem pensar Ner'zhul aceitou o pacto com o demônio. O espírito de Ner'zhul foi colocado dentro de um bloco especialmente feito de gelo e diamante-duro juntado dos distantes alcances do Plano Inferior. Encaixado dentro do barril congelado, Ner'zhul sentia sua consciência ampliada dez mil vezes mais forte. Deformado pelos poderes caóticos do demônio, Ner'zhul se tornou um ser espectral de poder insondável. Naquele momento, foi destruído para sempre o orc conhecido como Ner'zhul, e nascia o Lich King.

Os Cavaleiros da morte leais a Ner'zhul e seu seguidores do clã Shadowmoon também foram transformados pelas energias caóticas do demônio. Os lançadores de feitiços mal foram rasgados separadamente e se refizeram como esqueletos de Lich. Os demônios tinham se assegurado que até mesmo na morte, os seguidores de Ner'zhul serviriam inquestionavelmente somente a ele.

No tempo certo, Kil'jaeden explicou a missão para a qual ele tinha criado o Lich King. Ner'zhul iria esparramar uma pestilência de morte e terror por Azeroth que sempre assustariam as civilizações nas proximidades. Todos esses que morreram pela pestilência do medo re-surgiam como o undeads, e seus espíritos sempre seriam ligados ao testamento de ferro de Ner'zhul. Kil'jaeden prometeu que se Ner'zhul realizasse sua missão escura de acabar com a humanidade do mundo, ele seria libertado de sua maldição e lhe seria concedido um novo corpo, saudável para habitar.

Embora Ner'zhul fosse agradável e aparentemente ansioso para cumprir seu papel, Kil'jaeden permaneceu cético quanto sua palavra de lealdade. Mantendo o Lich King sem corpo ele apanhou dentro do barril cristalino e se assegurou de sua boa conduta para o a curto prazo, mas o demônio soube que ele precisaria manter seus olhos abertos sobre ele. A este fim, Kil'jaeden chamou seu guarda demônio de elite, o dreadlord vampiro, e mandou-o policiar e assegurar-se de que Ner'zhul realizaria sua terrível tarefa. Tichondrius, o mais poderoso e esperto dos dreadlords, ecitado pelo desafio; ficou fascinado pela severidade da pestilência e o potencial desenfreado do Lich King para o genocídio.

Icecrown e o Trono Congelado

Kil'jaeden lançou o barril cristalino de Ner'zhul no mundo de Azeroth. O cristal endurecido riscou o céu noturno e embriagado no continente ártico desolado de Northrend, se enterrando no fundo de uma geleira de Icecrown. O cristal congelado, entortado pela sua descida violenta, veio assemelhar-se a um trono, e o espírito vingativo de Ner'zhul logo acordou dentro disto.

Dos confins do Trono Congelado, Ner'zhul começou a alcançar sua vasta consciência e tocar as mentes dos habitantes nativos de Northrend. Com um pequeno esforço, ele escravizou as mentes de muitas criaturas indígenas, inclusive dos Trolls do gelo e dos ferozes wendigos, ele puxou seus novos irmãos para a nevoa de trevas que crescia a sua volta. Seus poderes psíquicos provaram ser quase ilimitados, e ele os usou para criar um pequeno exército que colocou dentro dos labirintos de Icecrown. Como Lich King dominou suas habilidades crescentes aos olhares do dreadlord, ele descobriu uma remota determinação humana na crista do vasto Dragonblight. Por capricho, Ner'zhul decidiu testar seus poderes nos humanos que não desconfiavam de nada.

Ner'zhul lançou uma pestilência undeath - que tinha se originado no fundo do Trono Congelado, no solo improdutivo ártico. Controlando a pestilência, ele a jogou diretamente em uma aldeia humana. Dentro de três dias, todos na aldeia estavam mortos, mas brevemente depois disso, os aldeãos mortos começaram a levantar-se como um exército de zumbis. Ner'zhul podia sentir os pensamentos de cada espíritos como se ele fosse cada um deles. Com essa explosão furiosa em sua mente Ner'zhul ficou cada vez mais poderoso, com seus espíritos lhe proporcionando uma nutrição muito poderosa. Ele achou ótimo poder controlar as ações dos zumbis e poder guia-los a qualquer fim desejasse.

Durante os meses seguintes, Ner'zhul continuou experimentando sua pestilência undeath dominando todos habitantes humanos de Northrend. Com seu exército undead crescendo diariamente, ele achou que a hora do verdadeiro teste estava se aproximando.

A Batalha de Grim Batol

Enquanto isso, nas terras rasgadas pela guerra no sul, às sobras espalhadas da Horda lutava pela sua sobrevivência. Embora Grom Hellscream e seu clã Warsong conseguissem fugir da captura, Deadeye e seu clã Bleeding Hollow foram reunidos e colocados nos acampamentos de internação em Lordaeron. Porem estas insurreições caras, os diretores dos acampamentos restabeleceram logo o controle em cima de suas cargas brutas de pólvora.

Porém, a Aliança desconhecia uma grande força de Orcs que ainda vagavam livres nos desertos do norte de Khaz Modan. O clã de Dragonmaw, conduzido pelo warlock Nekros infame, estava usando um artefato antigo conhecido como a Alma do Demônio para controlar a Dragonqueen, Alexstrasza, e seu dragonflight. Com a Dragonqueen seno sua refém, Nekros construiu um exército secreto dentro do abandonado - alguns dizem ser amaldiçoado - lugar e seguro de Wildhammer em Grim Batol. Planejando soltar suas forças e os dragões sumamente vermelhos na Aliança, Nekros esperou a Horda se reunir para continuar sua conquista de Azeroth. Seu plano não vingou: um pequeno grupo de lutadores da resistência, conduzido pelo mago humano Rhonin conseguiu destruir a Alma do Demônio e livrar a Dragonqueen do comando de Nekros.

Na sua fúria, os dragões de Alexstrasza rasgaram Grim Batol separadamente e incineraram a maior parte do clã Dragonmaw. Nekros tinha planos para reunificar-se novamente, enquanto mais abaixo os Orcs chocava-se com as tropas da Aliança que reuniram os Orcs sobreviventes restantes e os lançavam nos acampamentos de internação que os esperavam. A derrota do clã Dragonmaw sinalizou o fim da Horda, e o fim dos furiosos Orcs bloodlust.

Letargia dos Orcs

Meses se passaram, e mais prisioneiros Orcs foram reunidos e colocados em acampamentos de internação. Com os acampamentos super lotados, a Aliança foi forçada a construir novos acampamentos nas planícies do sul das Montanhas de Alterac. Para manter corretamente e prover o número crescente de acampamentos, o Rei Terenas impôs um novo imposto para as nações da Aliança. Este imposto, junto com tensões políticas aumentadas em cima de disputas de fronteiras mais o desassossego difundido pesaram e pareciam que o frágil pacto que as nações humanas tinham forjado juntas na hora mais obscura quebraria a qualquer momento.

Entre o tumulto político, muitos dos diretores dos acampamentos começaram a notar uma mudança nos seus Orcs cativos. Os esforços dos Orcs para escapar dos acampamentos ou até mesmo lutar entre si tinham diminuído com o passar do tempo. Os Orcs estavam ficando mais e mais indiferentes e letárgicos. Embora fosse difícil acreditar, os Orcs - uma vez que sempre foram vistos como a raça mais agressiva já vista em Azeroth - tinha perdido completamente seu animo para lutar. A letargia estranha confundiu os líderes da Aliança e continuou abalando os Orcs cada vez mais rapidamente debilitando-os.

Alguns especularam que alguma doença estranha, contraída só por Orcs, provocou a letargia confundindo-os. Mas o Archmage Antonidas de Dalaran suspeitou de uma hipótese diferente. Pesquisando isso na pequena história dos Orcs, Antonidas aprendeu que o Orcs tinha estado debaixo da influência de um poder endiabrado por gerações. Ele especulou que os Orcs tinham sido corrompidos até mesmo por estes poderes antes da sua primeira invasão a Azeroth. Claramente, demônios tinham pregado o sangue dos Orcs, e em troca os demônios tinham lhe concedido força sobrenatural, resistência, e agressão.

Antonidas supôs que a letargia dos Orcs não era de fato uma doença, mas uma conseqüência da retirada das magias voláties dos bruxos que os tinham feito espantosos, guerreiros de bloodlust. Embora os sintomas estivessem claros, Antonidas não pôde achar uma cura para os Orcs. Então também, muitos dos magos da mesma categoria dele, como também alguns líderes notáveis da Aliança, discutiram que achar uma cura para os Orcs seria uma aventura imprudente. Partido para ponderar a condição misteriosa dos Orcs, a conclusão de Antonidas foi que a cura dos Orcs teria de ser espiritual.

A Nova Horda

O diretor principal dos acampamentos de internação, Aedelas Blackmoore, assistia os Orcs cativos de seu seguro castelo, Durnholde. Um Orc lhe tinha despertado um interesse particular: uma criança órfã que ele tinha achado quase dezoito anos antes. Blackmoore tinha criado um jovem macho como um escravo e o tinha nomeado Thrall. Blackmoore ensinou o Orc sobre táticas, filosofia, e combate. Thrall foi treinado até mesmo como um gladiador. O tempo todo, o diretor corrupto buscou moldar o Orc em uma arma.

Apesar de sua educação severa, o jovem Thrall cresceu em e virou um Orc forte, perspicaz, e ele sentia em seu coração que a vida de escravo não era para ele. Com ele cresceu a maturidade, e ele aprendeu sobre as pessoas, os orcs com quem ele nunca tinha se encontrado: depois de sua derrota, a maioria deles tinha sido colocado em acampamentos de internação. Ouve um rumor que Doomhammer, o líder dos Orcs, tinha escapado de Lordaeron e tinha se escondido. Só um clã de Rogues ainda operava em segredo, tentando invadir a alerta Aliança.

O Aplicado Thrall sem experiência decidiu escapar da fortaleza de Blackmoore e partir para achar outros de sua raça. Durante suas viagens o Thrall visitou um acampamento de internação e achou sua raça que uma vez foi poderosa parecia agora estranhamente letárgica. Não tendo achado os guerreiros orgulhosos que ele esperava descobrir, Thrall teve a idéia de achar o último comandante dos Orcs e imortal, Grom Hellscream.

Constantemente caçado pelos humanos, Hellscream segurou não obstante o instinto inextinguível da Horda pela lutar. Ajudado pelo seu clã Warsong, Hellscream continuou empreendendo uma guerra subterrânea contra a opressão de suas pessoas que estavam cercadas. Infelizmente, Hellscream nunca pode achar um modo para despertar os Orcs capturado de seu estupor. O Thrall impressionado e inspirado pelo idealismo de Hellscream, desenvolveu uma empatia forte pela Horda e suas tradições de guerreiro.

Buscando a verdade de suas próprias origens, Thrall viajou para o norte para achar o legendário clã Frostwolf. Thrall aprendeu que Gul'dan tinha exilado os Frostwolves durante os primeiros dias da Primeira Guerra. Ele também descobriu que ele era o filho e herdeiro do herói Orc Durotan, o verdadeiro comandante dos Frostwolves antes de ter sido assassinado nos wilds quase vinte anos antes.

Debaixo da tutela do venerável shaman Drek'Thar, Thrall estudou o antigo shamanismo de seu povo que havia sido esquecido pela maldade de Gul'dan. Com o passar do tempo, Thrall se tornou um shaman poderoso e se tornou comandante do clã exilado Frostwolves. Autorizado pelos elementos ele e saiu para achar seu destino, Thrall partiu para livrar os clãs cativos e curar sua raça da corrupção endiabrada.

Durante suas viagens, Thrall achou o velho warchief, Orgrim Doomhammer que tinha estado vivendo por muitos anos como um ermitão. Doomhammer que tinha sido um amigo íntimo do pai de Thrall decidiu seguir o jovem Orc, visionário ele iria ajudar a livrar os clãs cativos. Apoiado por muitos dos comandantes veteranos, Thrall teve sucesso no final das contas revitalizando a Horda e dando para seu povo uma nova identidade espiritual.

Para simbolizar o renascimento de seu povo, Thrall voltou à fortaleza de Blackmoore de Durnholde e acabou com os planos de seu antigo mestre armando cerco em todos os acampamentos de internação. Esta vitória não sairia de graça: durante a libertação de um acampamento, Doomhammer morreu na batalha.

Thrall levou o legendário warhammer (Machado de Guerra) de Doomhammer e vestiu sua armadura prata escura para se tornar o novo warchief da Horda. Durante os meses seguintes, o acampamento pequeno da Horda liderado por Thrall lutava pelos campos de internação e estimava os melhores esforços da Aliança para se opor as suas estratégias. Encorajado por seu melhor amigo e mentor, Grom Hellscream, Thrall trabalhou para se assegurar que seu povo nunca mais seria escravizado.

A Guerra da Aranha

Enquanto Thrall estava liberando seus irmãos em Lordaeron, Ner'zhul continuou construindo a base de seu poder em Northrend. Uma grande fortaleza foi erguida sobre a Geleira de Icecrown e foi populada pela crescente legião de mortos. Ainda com o Lich King estendendo sua influência sobre a terra, um império sombrio estava contra seu poder. O antigo reino subterrâneo de Azjol-Nerub que tinha sido fundado por uma raça sinistra de aranhas humanoid mandou seu guerreiro-guarda de elite atacar Icecrown e terminar a com a oferta furiosa de domínio de Lich King. Para sua frustração, Ner'zhul achou que os nerubians não só eram imunes à pestilência, mas também eram imunes a dominação telepática.

Os Lords-Spiders de nerubian comandaram vastas forças e tiveram uma rede subterrânea que estiravam quase meio estado de Northrend. As suas táticas de bater e correr para lugares seguros e se esconder dos esforços de pega-los do Lich King. No final das contas a guerra de Ner'zhul contra os nerubians foi ganha através de atrito. Com a ajuda dos dreadlords sinistros e de guerreiros undead inumeráveis, o Lich King invadiu Azjol-Nerub e trouxeram seus templos subterrâneos abaixo nas cabeças dos Lords-Spiders.

Embora os nerubians fossem imunes a sua pestilência, Ner'zhul estava aumentado seus poderes de necromanticia lhe permitindo criar os Spiders-Warriors aumentando ainda mais o seu exercito. Com sua tenacidade e intrepidez, Ner'zhul adotou o estilo arquitetônico dos nerubians distintivo para suas próprias fortalezas e estruturas. Partido para reger seu reino sem oposição, Lich King começou se preparar para sua verdadeira missão no mundo. Ultrapassando os limites das terras humanas com sua vasta consciência, Lich King chamou por qualquer alma escura que o escutasse. . . .

Kel'Thuzad e a Formação do Scourge

Havia um monte de indivíduos poderosos espalhados ao longo do mundo que receberam a convocação mental de Lich King de Northrend. A notável maioria deles era o Archmage de Dalaran, Kel'Thuzad que era um de sócios seniores do Kirin Tor Dalaran que regia o conselho. Ele tinha sido considerado um maverick durante anos devido à sua insistência em estudar as artes proibidas da necromancia. Obcecado para aprender tudo do mundo mágico e suas maravilhas sombrias, ele ficou frustrado pelo que viu com seu antiquado preceito de inimaginável. Ao ter notícias da poderosa convocação de Northrend, o Archmage se desdobrou como pode para se comunicar com aquela voz misteriosa. Convencido que o Kirin Tor era muito frágil para ele poder conseguir o conhecimento inerente nas artes escuras, ele se resignou aprender o que pôde com o imensamente poderoso Lich King.

Deixando para trás sua fortuna e posição política prestigiosa, Kel'Thuzad abandonou os modos de Kirin Tor e partiu para sempre de Dalaran. Atraído pela voz persistente do Lich King em sua mente, ele vendeu suas vastas propriedades e armazenou suas fortunas. Viajando só por muitas léguas de terra e mar, ele finalmente chegou às costas congeladas de Northrend. Intenção era de alcançar Icecrown e oferecer seus serviços a Lich King, o Archmage atravessou as ruínas saqueadas, e destruídas de Azjol-Nerub. Kel'Thuzad viu a extensão e ferocidade do poder de Ner'zhul. Ele começou a perceber que se aliando com o misterioso Lich King ambos poderiam ser sábios e potencialmente frutíferos.

Depois de longos meses de viagem pelos severos solos improdutivos árticos, Kel'Thuzad finalmente chegou à geleira escura de Icecrown. Ele chegou à fortaleza escura de Ner'zhul corajosamente e ficou chocado quando os soldados undeads o deixaram passar silenciosamente como se lhe esperassem. Kel'Thuzad desceu profundamente na terra fria de modo que ele chegou ao fundo da geleira. Lá, na infinita caverna de gelo e sombras, ele se prostrou diante do Trono Congelado e ofereceu sua alma ao senhor da escuridão.

Lich King estava contente com seu mais recente conscrito. Ele prometeu imortalidade a Kel'Thuzad e grande poder em troca de sua lealdade e obediência. Ansioso para obter o conhecimento escuro e poder, Kel'Thuzad aceitou sua primeira grande missão: entrar no mundo dos homens e achar uma nova religião que adoraria o Lich King como um Deus.

Para ajudar o Archmage a realizar sua missão, Ner'zhul deixou a humanidade de Kel'Thuzad intacta. O velho feiticeiro carismático foi encarregado de usar poderes de ilusão e persuasão para acalmar os oprimidos e os loucos de Lordaeron em um estado de confiança e convicção. Então, uma vez que ele teve a atenção, ele os ofereceria uma nova visão do que a sociedade poderia ser - e uma nova imagem para chamar seu Rei.

Kel'Thuzad voltou a Lordaeron em um disfarce, depois de três anos, ele usou sua fortuna e intelecto para juntar uma fraternidade clandestina de homens e mulheres. A fraternidade da qual era chamada de o Culto o Maldito, prometeu para seus assistentes igualdade social e vida eterna em Azeroth em troca de seus serviços e obediência a Ner'zhul. Com o passar dos meses, Kel'Thuzad achou muitos voluntários ansiosos para seu novo culto entre os trabalhadores cansados, sobrecarregados de Lordaeron. Era surpreendentemente fácil Kel'Thuzad alcançar sua meta: isto é, transferir a fé dos cidadãos na Luz Santa em convicção na sombra escura de Ner'zhul. Como o Culto o Maldito cresceu em tamanho e influencia, Kel'Thuzad teve que ter certeza que estava escondendo seu funcionamento das autoridades de Lordaeron.

Com o sucesso de Kel'Thuzad em Lordaeron, Lich King fez suas preparações finais para o ataque contra civilização humana. Colocando suas pestilência em vários artefatos portáteis chamados caldeirões de pestilência, Ner'zhul ordenou que Kel'Thuzad transportasse os caldeirões a Lordaeron onde eles seriam escondidos dentro de várias aldeias culto-controladas. Com os caldeirões, protegidos pelo cultistas leais, agiriam então como os geradores da pestilência, enquanto enviavam a pestilência para as fazendas e cidades ao norte de Lordaeron.

O plano de Lich King funcionou perfeitamente. Muitas das aldeias do norte de Lordaeron foram contaminadas quase que imediatamente. Da mesma maneira que em Northrend, morreram os cidadãos que contraíram a pestilência e surgiram como o legado de escravos do Lich King. Os cultistas de Kel'Thuzad estavam ansiosos para morrerem e voltarem a servir seu senhor escuro. Eles exultaram no prospecto de imortalidade por undeath. Com a pestilência se espalhando, cada vez mais zumbis surgiam nas northlands. Kel'Thuzad olhando Lich King cultivar zumbis em seu exército o nomeou de Scourge, que logo marcharia para os portões de Lordaeron e acabaria com a humanidade da face da terra.

A Aliança se despedaça

Inadvertidamente dos cultos a morte que se formaram em suas terras, os líderes das nações da Aliança começaram a brigar e a discutir sobre as propriedades territoriais e influência política. O Rei Terenas de Lordaeron que começou a suspeitar que o frágil pacto que eles tinham forjado durante sua hora mais obscura não duraria por muito mais tempo. Terenas tinha convencido os líderes da Aliança a emprestarem dinheiro e trabalhadores para ajudar na reconstrução do reino sulista de Stormwind que tinha sido destruído durante a ocupação dos Orcs em Azeroth. Os impostos mais altos que resultaram, junto com a alta despesa para manter e operar a numerosa internação dos Ors nos acampamentos conduziu muitos líderes - Genn Greymane de Gilneas em particular - a acreditarem que seus reinos seriam melhores se separassem da Aliança.

E para piorar, os High Elfs de Silvermoon rescindiram sua submissão a Aliança bruscamente, enquanto declaravam que a pobre liderança dos humanos tinha conduzido a queimar suas florestas durante a Segunda Guerra. Terenas lutou com sua impaciência e inquietude e lembrou os High Elfs que nada de Quel'Thalas teria permanecido se não fosse por centenas de humanos valorosos que dariam suas vidas para protege-la. No entanto, os Elfs decidiram seguir seu próprio caminho. Após a partida dos Elfs, Gilneas e Stromgarde saíram da aliança também.

Embora a Aliança estivesse se quebrando, o Rei Terenas ainda teve aliados com os quais ele poderia contar. Tanto quanto o Almirante Proudmoore de Kul Tiras e o jovem rei, Varian Wrynn de Azeroth, continuavam na Aliança. Além disso, os feiticeiros de Kirin Tor, conduzidos pelo Archmage Antonidas, estavam firmes em Dalaran e prontos para seguir as ordens de Terenas. E para terminar o poderoso rei dwarven, Magni Bronzebeard que jurou que o dwarves de Ironforge deveria uma dívida de honra para sempre com a Aliança por liberar Khaz Modan do controle da Horda.
avatar
Sephiroth
Membro Júnior
Membro Júnior

Mensagens : 13
Data de inscrição : 08/10/2009
Localização : Aveiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História do wow

Mensagem  Sephiroth em Sex Out 30, 2009 5:25 am

Capitulo V: O Retorno da Burning Legion

A Scourge e Lordaeron
Warcraft III: O Reino de Caos

Depois de se preparar por muitos meses, Kel'Thuzad e seu Culto Maldito finalmente soltou o primeiro sopro da pestilência undeath em Lordaeron. Uther e os paladinos da mesma categoria que ele investigaram as regiões infestadas na esperança de achar um modo de parar a pestilência. Apesar de seus esforços, a pestilência continuou se espalhando e ameaçou a dividir a Aliança.

Com os undeads varridos de Lordaeron, Terenas e seu filho, Príncipe Arthas, entraram na briga contra a Scourge. Arthas teve sucesso em matar Kel'Thuzad, mas mesmo assim, os undeads nasciam de todos os soldados que fossem mortos defendendo sua terra. Frustrado e desanimado com a força aparentemente imparável de seu inimigo, Arthas deu grandes passos para conquistá-los. Até que um dia Arthas foi advertido por seus companheiros que ele estava perdendo sua humanidade.

Arthas temia o que sua resolução provou ser sua última abolição. Ele localizou a fonte da pestilência de Northrend, enquanto pretendeia terminar com essa ameaça para sempre. Para o príncipe Arthas derrubar o poder eventualmente grande de Lich King e acreditando que salvaria seu povo, Arthas levou a runeblade amaldiçoada, Frostmourne. Embora a espada lhe concedesse um poder inacreditável ela também roubava sua alma transformando-o no maior dos Cavaleiros Mortos de Lich King. Com sua alma e sua sanidade arrasadas, Arthas conduziu a Scourge contra seu próprio reino. No final, Arthas acabou por assassinar seu próprio pai, o Rei Terenas, e esmagou Lordaeron com a força de Lich King.

Sunwell - A Queda de Quel'Thalas

Embora ele tivesse derrotado todas as pessoas que ele via como seus inimigos, Arthas ainda era assombrado pelo fantasma de Kel'Thuzad. O fantasma contou para Arthas que ele precisava ser ressuscitado para a próxima fase do plano do Lich King. Para ressuscitá-lo, Arthas precisava levar os restos de Kel'Thuzad ao místico Sunwell, escondido dentro do reino eterno dos High Elfs, Quel'Thalas.

Arthas e sua Scourge invadiram Quel'Thalas e fizeram cerco às defesas dos Elfs destroçando-as. Sylvanas Windrunner, a Ranger-Geral de Silvermoon, começou uma grande briga, mas Arthas erradicou o exército dos High Elfs batalhou para chegar ao Sunwell. Em um gesto cruel de seu domínio, ele ressuscitou também o corpo de Sylvanas e a transformou em uma Banshee, amaldiçoada e obrigada a servir na eternidade o conquistador de Quel'Thalas.

No final das contas, Arthas submergiu o resto de Kel'Thuzad dentro das águas santas de Sunwell. Embora as águas potentes da Eternidade fossem infringidas por este ato, Kel'Thuzad foi ressuscitado como um Lich Sorcerous. Ressuscitado como um ser ainda mais poderoso, Kel'Thuzad explicou a próxima fase do plano do Lich King. Até que Arthas e seu exército undead virassem para o sul, nenhum Elfs permaneceu vivo em Quel'Thalas. A gloriosa pátria dos High Elfs que tinham representado mais de nove mil anos de sua raça já não era mais nada.

O Retorno de Archimonde e o Vôo para Kalimdor

Uma vez que Kel'Thuzad estava novamente inteiro, Arthas conduziu a Scourge para o sul de Dalaran. Lá o Lich obteve o poderoso Livro de Magias de Medivh, e usou-o para chamar Archimonde de volta ao mundo. Daquele ponto em diante, o próprio Archimonde começaria a invasão final da Legião. Nem mesmo os feiticeiros de Kirin Tor puderam impedir as forças de Arthas de roubar o Livro de Medivh, e logo Kel'Thuzad tinha tudo que ele precisava para executar seu feitiço. Depois de dez mil anos, o poderoso demônio Archimonde e seu anfitrião emergiram uma vez mais no mundo de Azeroth. Dalaran não era seu destino final. Sob as ordens de Kil'jaeden Archimonde e seus demônios seguiram a Scourge Undead até Kalimdor, com a intenção de destruir Nordrassil, e a Árvore Mundial.

No meio do caos, um solitário e misterioso profeta parecia ajudar e orientar as raças mortais. Este profeta era mingúem menos que Medivh, o último Guardião, milagrosamente ele voltou do Além para se redimir de seus pecados passados. Medivh contou a Horda e a Aliança dos perigos que eles enfrentariam e lhes pediu que enfrentassem isto juntos. Cansado por gerações de ódio, os Orcs e os Humanos não se uniriam para isso. E Medivh foi forçado a lidar separadamente com cada raça, usando a profecia e o artifício para os guiarem por mar para a lendária terra de Kalimdor. Os Orcs e Humanos logo encontraram a civilização escondida dos Kaldorei.

Os Orcs, conduzidos por Thrall, sofreram uma série de retrocessos em sua viagem pelos Barrens de Kalimdor. Embora eles ajudassem os Cairne Bloodhoof e os poderosos guerreiros Taurens, muitos Orcs começaram a sucumbir ao bloodlust endiabrado que os tinham infestado durante anos. O maior tenente de Thrall, Grom Hellscream, traiu a Horda se entregando aos seus instintos. Com o Hellscream e seus leais guerreiros Warsongs espalhados nas florestas de Ashenvale, eles se confrontaram com as antigas Sentinelas dos Night Elfs. Certo de que os Orcs tinham voltado a sua sede por sangue, o demigod Cenarius veio mandar Hellscream e seus orcs de volta de onde eles vieram. Com Hellscream e seus Orcs, com um ódio sobrenatural e enfurecidos, eles conseguiram matar Cenarius e corromper as antigas forestlands. No final das contas, Hellscream resgatou sua honra ajudando Thrall a derrotar Mannoroth, o senhor demônio que tinha amaldiçoado a linhagem dos Orcs com ódio e raiva. Com a morte de Mannoroth, a maldição da linhagem dos Orcs finalmente chegava ao fim.

Enquanto Medivh trabalhava para convencer Orcs e Humanos da necessidade de uma aliança, os Night Elfs lutaram contra a Legião com seus próprios modos reservados. Tyrande Whisperwind, a Alta Sacerdotisa imortal das Sentinelas dos Night Elfs, batalhava para impedir que os demônios e undeads infestassem as florestas de Ashenvale. Tyrande percebeu que ela precisava de ajuda, assim ela teve a idéia de despertar os Druidas Night Elfs dos mil anos de sono. Chamando seu antigo amor, Malfurion Stormrage, Tyrande teve sucesso galvanizando suas defesas e fazendo a Legião recuar. Com a ajuda de Malfurion, ela começaria a derrotar a Legião e seus aliados, a Scourge.

Enquanto Malfurion procurava por mais Druidas hibernando, ele achou a antiga prisão subterrânea na qual ele tinha prendido seu irmão, Illidan. Convencido que Illidan os ajudaria contra a Legião, Tyrande soltou. Embora Illidan os ajudasse durante um tempo, ele fugiu para ir atrás de seus próprios interesses.

Os Night Elfs se superaram lutando com muita determinação contra a severa Burning Legion. A Legião nunca tinha deixado de pensar em seu desejo: o Well of the Eternity, a fonte de sua força a Árvore Mundial e o coração do reino dos Night Elfs. Se o ataque planejado na Árvore tivesse êxito, os demônios acabariam literalmente com o mundo.

A Batalha do Monte Hyjal

Sobre a orientação de Medivh, Thrall e Jaina Proudmoore - a líder das forças humanas em Kalimdor - perceberam que eles teriam que superar suas diferenças. Semelhantemente, os Night Elfs, conduzidos por Malfurion e Tyrande, concordaram que eles teriam que se unir a eles se eles quisessem defender a Árvore Mundial. Unificadas por um propósito, as raças de Azeroth trabalharam para fortalecer as energias da Árvore Mundial para junto de seu extremo. Autorizado pela mesma força do mundo, Malfurion teve sucesso em soltar a fúria primitiva de Nordrassil, destruindo Archimonde totalmente e cortando assim a corda que ligava a Legião ao Well of the Eternity. A batalha final estremeceu o continente de Kalimdor e suas raízes. Incapaz de drenar o poder do Well, a Burning Legion se destroçou debaixo do poder combinado dos exércitos mortais.

O Traidor Ascendente
Warcraft III: O Trono Congelado

Durante a invasão da Legião a Ashenvale, Illidan foi libertado de sua prisão subterrânea depois de dez mil anos de cativeiro. Embora ele buscasse satisfazer seus camaradas, ele voltou a sua verdadeira forma e logo consumiu as energias de um artefato warlock muito poderoso conhecido como o Crânio de Gul'dan. Fazendo isso, Illidan desenvolveu características endiabradas e seu poder aumentou imensamente. Ele também ganhou algumas das velhas recordações de Gul'dan - especialmente as da Tumba de Sargeras, e as cavernas das ilhas que rumorava guardar os restos do Titã Escuro, Sargeras.

Enlouquecido por seu enorme poder e livre para vagar no mundo mais uma vez, Illidan teve a idéia de achar seu próprio lugar no grande esquema das coisas. Porém, Kil'jaeden confrontou Illidan e lhe fez uma oferta que ele não pôde recusar. Kil'jaeden ficou enfurecido pela derrota de Archimonde no Monte Hyjal, mas ele teve maiores preocupações que sua vingança. Sentindo que sua criação, o Lich King, estava crescendo muito poderoso e fora de seu controle, Kil'jaeden ordenou Illidan para destruir Ner'zhul e acabar de uma vez por todas com a Scourge Undead. Em troca, Illidan receberia um poder incontável e um verdadeiro lugar entre os senhores restante da Burning Legion.

Illidan concordou e imediatamente pensou em destruir o Trono Congelado, o e o Iceberg no qual o espírito do Lich King residia. Illidan soube que ele precisaria de um poderoso artefato para destruir o Trono Congelado. Usando o conhecimento que ele tinha e as recordações de Gul'dan, Illidan decidiu procurar a Tumba de Sargeras e reivindicar os restos do Titã Escuro. Ele cobrou algumas dívidas antigas dos Highborne e atraiu as Nagas Serpentes de suas tocas no fundo do Grande Oceano. Conduzidas pela esperta Witch Lady Vashj as Nagas ajudaram Illidan a chegar às Brokens Ilhas onde a Tumba de Sargeras estava localizada segundo rumores.

Com a partida de Illidan e as Nagas, a Diretora Maiev Shadowsong começou a caçá-los. Maiev tinha sido a carcereira de Illidan durante dez mil anos e agora ela voltou com o objetivo de recuperar seu cargo. Porém, Illidan enganou Maiev e seus Guardas e teve sucesso reivindicando o Olho de Sargeras apesar de seus esforços. Com o poderoso Olho em sua posse, Illidan viajou para a cidade dos feiticeiros, Dalaran. Fortalecido pelas linhas de poderes da cidade, Illidan usou o Olho para lançar um destrutivo feitiço contra a fortaleza de Lich King, Icecrown em Northrend. O ataque de Illidan quebrou as defesas de Lich King e rompeu o céu do mundo. No momento final, o feitiço destrutivo de Illidan foi parado quando seu irmão Malfurion e a Sacerdotisa Tyrande chegaram para ajudar Maiev.

Sabendo que Kil'jaeden não ficaria satisfeito com seu fracasso de destruir o Trono Congelado, Illidan fugiu para outra dimensão estéril conhecida como Outland: onde estavam as sobras de Draenor, a terra natal dos Orcs. Lá ele planejou evadir a ira de Kil'jaeden e planejar seus próximos movimentos. Depois que eles tiveram sucesso em parar Illidan, Malfurion e Tyrande voltaram para casa em Ashenvale Forest para vigiar seu povo de perto. Porém, Maiev não o deixaria escapar tão facilmente, e seguiu Illidan a Outland, determinada a trazer a justiça.

O Surgimento dos Blood Elves

A Scourge Undead tinha transformado Lordaeron e Quel'Thalas essencialmente em uma Plagueland (Terra de Pragas) tóxica. Havia só alguns postos de resistência da força da Aliança. Um grupo, consistindo principalmente de High Elfs, foi conduzido pelo último da dinastia Sunstrider: Príncipe Kael'thas. Kael, um poderoso feiticeiro, cresceu longe do erro que era Aliança. Os high Elfs afligidos pela perda de sua pátria decidiram se chamar Blood Elves em honra das pessoas que morreram. Eles ainda trabalhavam arduamente para manter a Scourge à distância, eles sofreram grandemente por estarem sem o poder que o Sunwell lhes dava. Desesperado para achar uma cura para o hábito de sua raça por magia, Kael fez o inconcebível: ele abraçou a ascendência do Highborne e seu povo e se uniu a Illidan e as Naga na esperança de achar uma nova fonte de poder mágico para alimentar o hábito de seu povo. Os chefes restantes da Aliança condenaram os Blood Elfs como traidores e os expulsaram para seu próprio bem.

Sem lugar para ficar, Kael e seus Blood Elfs seguiram Lady Vashj para as Outlands para ajudar na batalha contra a diretora, Maiev que tinha recapturado Illidan. Com as Naga combinadas com a força dos Blood Elfs, eles conseguiram matar Maiev e soltar Illidan de sua prisão. Fundado em Outland, Illidan juntou suas forças para uma segunda guerra contra o Lich King e sua fortaleza, Icecrown.

Guerra Civil nas Plaguelands

Ner'zhul, o Lich King, soube que seu tempo era curto. Preso ao Trono Congelado, ele suspeitou que Kil'jaeden enviaria seus agentes para destruí-lo. O dano causado pelo feitiço de Illidan tinha rompido o Trono Congelado; assim, o Lich King perdia seu poder a cada dia que passava. Desesperado para se salvar, ele chamou seu maior criado mortal que estava ao seu lado: o Cavaleiro Undead, Príncipe Arthas.

Embora seus poderes fossem se esvaecendo devido à fraqueza de Lich King, Arthas tinha sido envolvido em uma guerra civil em Lordaeron. A metade da força Undead, foi conduzida pela Banshee Sylvanas Windrunner, que organizou um golpe para controlar o império Undead. Arthas, chamado pelo Lich King, foi forçado a deixar a Scourge nas mãos de seu tenente, Kel'Thuzad, assim como a guerra formada nas Plaguelands.

No final das contas, Sylvanas e seus Undeads rebeldes (conhecido como os Forsaken) reivindicaram a importante e arruinada cidade de Lordaeron para eles. Construindo sua própria bastion sob a cidade destruída, os Forsaken juraram derrotar a Scourge e mandar Kel'Thuzad e seu exercito para fora de suas terras.

Debilitado, mas determinado a salvar seu mestre, Arthas alcançou sozinho as Northrend para achar as Naga de Illidan e os Blood Elfs que esperavam por ele. Ele e seus aliados Nerubians confrontaram-se com as forças de Illidan chegando na Geleira de Icecrown para defender o Trono Congelado.

O Lich King Triunfante

Mesmo debilitado, Arthas foi melhor que Illidan e no final das contas alcançou o Trono Congelado primeiro. Usando sua runeblade, Frostmourne, Arthas quebrou a prisão fria de Lich King e o capacete encantado de Ner'zhul libertando o peitoral. Arthas colocou o incrível e poderoso capacete se tornando o novo Lich King. Os espíritos de Ner'zhul e Arthas se fundiram em um único ser poderoso, da maneira que Ner'zhul tinha planejado. Illidan e suas tropas foram obrigadas a fugir para Outland em desgraça, enquanto Arthas se tornava uma das entidades mais poderosas que o mundo já tinha visto.

Atualmente Arthas, o novo Lich King imortal, reside em Northrend; ele rumou para reconstruir a fortaleza de Icecrown. Seu tenente confiado, Kel'Thuzad, comanda a Scourge na Plaguelands. Sylvanas e os Forsaken rebeldes vivem nas Clareiras de Tirisfal e em uma pequena porção do reino destruído pela guerra.

O Velho Ódio - A Colonização de Kalimdor

Embora a vitória fosse deles, as raças mortais se acharam em um mundo destruído pela guerra. A Scourge e a Burning Legion destruíram tudo menos as civilizações de Lordaeron, e eles já estavam quase terminando seu trabalho em Kalimdor. Havia florestas para curar, rancores para enterrar, e pátrias para reerguer. A guerra tinha ferido cada raça profundamente, mas eles tinham atado abnegadamente juntos para tentar um novo começo, enquanto começava uma trégua intranqüila entre a Aliança e Horda.

Thrall conduziu os Orcs ao continente de Kalimdor onde eles fundaram uma nova pátria com ajuda de seus irmãos Taurens. Nomeando a nova terra de Durotar depois que o pai de Thrall foi assassinado, Os Orcs se estabeleceram e reconstruíram sua sociedade que uma vez havia sido gloriosa. Agora que a maldição do demônio terminou, a Horda mudou de um agressivo para uma coalizão mais solta, dedicada a sobrevivência e prosperidade em lugar de conquista. Ajudados pelos nobres Taurens e os espertos Trolls da tribo de Darkspear, Thrall e seus Orcs esperaram por uma nova era de paz em suas terras.

As forças restantes da Aliança sobre o comando de Jaina Proudmoore se instalaram no sul de Kalimdor. Perto da costa oriental do Pântano Dustwallow, eles construíram uma cidade porto nas terras escarpadas de Theramore. Lá, os humanos e seus aliados dwarvens trabalharam para sobreviver em uma terra que sempre seria hostil a eles. Embora os defensores de Durotar e Theramore mantivessem a tentativa de trégua um ao outro, a frágil serenidade colonial não duraria muito mais tempo.

A paz entre os Orcs e Humanos foi quebrada pela chegada de uma volumosa frota da Aliança em Kalimdor. A poderosa frota, sob as ordens do Principal Almirante Daelin Proudmoore (pai de Jaina), tinha deixado Lordaeron antes que Arthas tivesse destruído seu reino. Tendo velejado durante árduos meses, o Almirante Proudmoore estava procurando qualquer sobrevivente da Aliança que pudesse achar.

A armada de Proudmoore posou uma seria ameaça à estabilidade da região. Sendo um herói renomado da Segunda Guerra, o pai de Jaina era um forte inimigo da Horda, e ele foi determinado a destruir Durotar antes que os Orcs pudessem ganhar uma posição segura nas terras de Kalimdor.

O Principal Almirante forçou Jaina a tomar uma terrível decisão: o apoiar a batalha contra os Orcs e trair seu pacto, ou lutar contra seu próprio pai para manter a frágil paz que a Aliança e a Horda tinham finalmente atingido. Depois de muito refletir, Jaina escolheu ajudar Thrall a matar seu pai que já estava louco. Infelizmente o Almirante Proudmoore morreu na batalha antes que Jaina pudesse se reconciliar com seu pai ou pudesse provar que os Orcs não eram mais nenhum monstro sanguinário. Por sua lealdade, os Orcs permitiram que as forças de Jaina voltassem para casa em Theramore seguramente.
Denunciar ao Moderador Registado
avatar
Sephiroth
Membro Júnior
Membro Júnior

Mensagens : 13
Data de inscrição : 08/10/2009
Localização : Aveiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História do wow

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum